15:36 22 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    Embora o Capitólio norte-americano nunca tivesse sido ocupado por uma multidão nacional, já sofreu ataques e tentativas de infiltração com diferentes graus de sucesso.

    As agências policiais em Washington D.C. estão conduzindo um post mortem sobre o que deu errado na quarta-feira (6) e como os apoiadores de Donald Trump, presidente dos EUA, conseguiram acesso ao edifício do Capitólio.

    Joe Biden foi finalmente confirmado pelo Congresso como o 46º presidente dos EUA na madrugada de quinta-feira (7), após uma sessão do Senado adiada devido aos protestos.

    América nunca esteve tão fraca aos olhos do mundo como agora! Este é o ambiente perfeito e a confusão que vai facilitar os ataques contra nós. Já foi encontrado o que se acredita ser um IED [artefato explosivo improvisado] no Edifício do Capitólio.

    O que é o Capitólio e que mais incidentes dramáticos ocorreram lá ao longo do tempo?

    1814: queimado pelo Reino Unido

    Em 1776 os Estados Unidos da América se tornaram independentes do Reino Unido e o primeiro presidente, George Washington, contratou o arquiteto francês Pierre Charles L'Enfant para planejar uma nova cidade que recebeu o nome do presidente.

    1814, Casacas Vermelhas invadem Washington e queimam o edifício do Capitólio. Fizeram um bom trabalho. Faz uma pessoa se sentir de alguma forma orgulhosa de ser britânica!!

    O edifício foi concluído em 1800 e se tornou a casa do Senado e da Câmara dos Representantes do país.

    No entanto, em 1812 irrompeu uma nova guerra com o Reino Unido, que ainda controlava o Canadá, e as tropas do rei Jorge III marcharam em direção ao jovem país.

    Em agosto de 1814, as tropas britânicas chegaram a Washington e queimaram tanto o Capitólio quanto a Casa Branca, tendo se retirado depois.

    Guerra Civil nos EUA

    Após obras pós-guerra de Benjamin Latrobe e um incêndio em 1851 na Biblioteca do Congresso, o local foi usado como quartel, hospital e padaria durante a Guerra Civil (1861-1865), que opôs a União aos Estados Confederados.

    Em 4 de julho de 1861, o Congresso concordou em atribuir poderes especiais ao presidente Abraham Lincoln, para que ele conduzisse a guerra contra os rebeldes, a fim de preservar a integridade territorial do país.

    Em dezembro de 1865, depois que os Confederados se renderam, o Congresso retomou os trabalhos no Capitólio e aprovou a Décima Terceira Emenda, finalmente proibindo a escravidão.

    1915: bomba explode durante Primeira Guerra Mundial

    Os Estados Unidos ficaram fora da Primeira Guerra Mundial quando esta eclodiu na Europa em 1914.

    No entanto, o presidente Woodrow Wilson deu apoio não oficial ao Reino Unido, enfurecendo muitos alemães-americanos.

    Em 1915 Erich Munter, também conhecido como Frank Holt, ex-professor de alemão da Universidade de Harvard, EUA, e espião do governo imperial alemão, plantou uma bomba na câmara vazia do Senado. Ela explodiu, estourando janelas e portas, mas não ferindo nem matando ninguém.

    Munter escapou de Washington e plantou uma bomba de lápis em um navio norte-americano que exportava munições para o Reino Unido.

    Ele depois atirou e feriu o magnata bancário americano J.P. Morgan antes de finalmente ser preso.

    Munter cometeu suicídio sob custódia, sendo revelado mais tarde que tinha envenenado até a morte sua esposa grávida, Leona, em 1906.

    O país norte-americano acabou por entrar na guerra em 1917 ao lado da Entente, ou Aliados.

    1971: ataque terrorista

    Em 1º de março de 1971, o grupo terrorista de esquerda Weather Underground, um dos muitos ativos na época nos EUA, plantou uma bomba em um banheiro masculino na parte do Senado do Capitólio.

    A bomba acabou sendo descoberta, levando a uma evacuação. A bomba explodiu, causando danos no valor de US$ 200.000 (R$ 10,3 milhões na cotação de hoje).

    O grupo terrorista assumiu responsabilidade pelo incidente, culpando por ele a decisão do presidente Richard Nixon (1969-1974) de enviar tropas norte-americanas e sul-vietnamitas para o Laos.

    1979: protesto de fazendeiros

    No final dos anos 1970, a economia dos EUA passava de uma crise para outra, em parte como resultado da crise do petróleo.

    Na primeira semana de fevereiro de 1979, milhares de agricultores entraram em Washington, muitos deles trazendo consigo seus tratores, defendendo uma nova lei agrícola que aumentasse os preços da safra.

    Então, o pequeno Mikey Bloomberg não acha que os agricultores são tão inteligentes assim e que qualquer um pode apenas plantar algumas sementes e ser um agricultor, hein?

    Bem, Pequeno Mike, eu tenho falado com os fazendeiros aqui no país sobrevoado [referência às áreas rurais dos EUA] e eles estão falando de uma comitiva de tratores como em 1979, se você se tornar presidente.

    A Avenida de Pensilvânia foi bloqueada com veículos agrícolas e a área ao redor do Capitólio foi apelidada de Tractortown, ou Vila de Tratores.

    A maioria dos fazendeiros deixou Washington até o final do mês, sem ganhos políticos óbvios, deixando a cidade com uma conta de limpeza de cerca de US$ 1 milhão (R$ 34,3 milhões, na cotação de hoje).

    1998: pistoleiro mata dois policiais

    Em 24 de julho de 1998, um pistoleiro chamado Russell Weston chegou a um posto de controle de segurança no Capitólio, sacou sua arma e atirou em um policial, Jacob Chestnut.

    Um turista foi ferido e outros policiais dispararam contra o agressor, que correu em direção a uma porta que levava ao escritório de Tom DeLay, senador do Texas.

    O detetive John Gibson, da segurança do senador DeLay, disparou em Weston, mas sofreu ferimentos fatais em resposta. Gibson e outros policiais acabaram conseguindo dominar o pistoleiro.

    Chestnut e Gibson foram enterrados no Cemitério Nacional de Arlington, Virgínia, EUA, com todas as honras.

    Weston, um esquizofrênico paranoico, disse mais tarde aos interrogadores que estava tentando obter acesso a um "satélite rubi", que ele acreditava controlar "legiões de canibais" e estaria escondido em um cofre no Senado. Ele alegou que o presidente Bill Clinton (1993-2001) era "um clone russo, trazido para os Estados Unidos para fins de insurgência comunista".

    Weston, agora com 64 anos, permanece em um hospital psiquiátrico de alta segurança.

    Mais:

    FOTOS mostram destruições dentro do Capitólio durante protestos
    EUA não têm como defender ideia da 'tocha da democracia' no mundo, afirma Rússia
    Apoiadores de Trump rompem barreiras ao redor do Capitólio e invadem Congresso (VÍDEOS)
    Tags:
    EUA, Capitólio, Bill Clinton, Rússia, Texas, Washington D.C, Richard Nixon, Alemanha, Universidade de Harvard, Primeira Guerra Mundial, Guerra Civil Americana, Congresso, Congresso dos EUA, Abraham Lincoln, Reino Unido, Câmara dos Representantes, Senado dos EUA, França, Joe Biden, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar