22:05 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    COVID-19 no mundo no início de janeiro de 2021 (75)
    1310
    Nos siga no

    A Bolívia registrou nesta quarta-feira (6) a vacina russa Sputnik V, com base nos dados dos testes clínicos realizados na Rússia, informou o Fundo Russo de Investimento Diretos (RFPI, na sigla em russo).

    "O fundo informa o registro da vacina russa Sputnik V pela Agência Estatal Boliviana de Medicamentos e Tecnologias em Saúde (Agemed)", disse o RDIF, destacando que o registro foi feito via autorização de uso emergencial. 

    No final de dezembro, o fundo russo e o Centro de Abastecimento de Saúde da Bolívia anunciaram um acordo para fornecer ao país sul-americano 5,2 milhões de doses da Sputnik V, suficientes para vacinar 2,6 milhões de pessoas. Esse fornecimento será facilitado por parceiros internacionais do RDIF na China, Índia, Coreia do Sul e outros países, permitindo a imunização de mais de 20% da população boliviana.

    "O registro do Sputnik V na Bolívia ajudará a salvar muitas vidas e evitar a disseminação do coronovírus usando uma vacina segura e eficaz baseada em uma plataforma comprovada de vetores adenovirais humanos. Agradecemos nossa parceria com os reguladores da Bolívia e esperamos que mais países na América Latina e outras partes do mundo registrem a vacina sob procedimento de autorização de uso de emergência em breve", declarou Kirill Dmitriev, diretor-geral do RFPI.

    Antes da Bolívia, Argentina, Sérvia e Bielorrússia também aprovaram os ensaios clínicos de fase III obtidos na Rússia para registrar a Sputnik V e iniciar suas campanhas de vacinação, todas já em andamento.

    A eficácia da vacina russa é de 91,4%, segundo os resultados da análise do terceiro e último ponto de controle dos dados dos ensaios clínicos de fase III russos, obtidos 21 dias após a administração da primeira dose a voluntários. O cálculo foi baseado na análise de dados de voluntários (n = 22.714) que receberam a primeira e a segunda doses da vacina ou placebo no último ponto de controle de 78 casos confirmados de acordo com o protocolo dos ensaios clínicos de fase III. A Sputnik V demonstrou eficácia de 100% contra casos graves da COVID-19. 

    ​​Enquanto outros países da região avançam rumo à imunização de suas populações, o Brasil ainda segue sem perspectivas claras de vacinação. Na última terça-feira (5), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou que ainda não havia recebido nenhum pedido de uso emergencial ou de registro definitivo de vacinas contra a COVID-19.

    Nesta quarta-feira (6), em meio a informações sobre uma possível falta de seringas no país, o presidente Jair Bolsonaro comunicou que o Ministério da Saúde decidiu suspender as compras devido aos preços muito elevados do produto. Segundo ele, só haverá novas aquisições de seringas quando "os preços voltarem à normalidade".

    Tema:
    COVID-19 no mundo no início de janeiro de 2021 (75)

    Mais:

    Após imunizante da Pfizer, México autoriza uso emergencial de vacina de Oxford
    Colômbia autoriza uso emergencial da vacina da Pfizer contra COVID-19 (VÍDEO)
    Argentina perde 400 vacinas russas contra COVID-19 devido a falha no sistema de refrigeração
    Tags:
    Bolívia, Rússia, pandemia, COVID-19, novo coronavírus, vacinação, Sputnik V, vacina, Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar