03:31 23 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    261
    Nos siga no

    Às vésperas de um ato pró-Trump, Enrique Tarrio foi preso na noite desta segunda-feira (4) por queimar uma bandeira do movimento antirracista Black Lives Matter no mês passado.

    Líder do grupo Proud Boys, Tarrio foi considerado culpado por destruição de bens privados. Seu crime aconteceu no último dia 12, durante um protesto em Washington contra o resultado da eleição nos EUA, escreve o Washington Post. Ele arrancou uma bandeira da igreja metodista Asbury United, onde a maioria dos fiéis é afro-americana, e depois a queimou. 

    Enrique Tarrio também enfrenta acusações por estar portando dois cartuchos de uma arma ilegal de alto calibre, apreendida pela polícia no momento de sua detenção, no mês de dezembro.

    Membros dos Proud Boys marcham pela ponte Hawthorne durante uma manifestação sob o lema End Domestic Terrorism (Pare Turismo Doméstico), em Portland
    © AP Photo / Noah Berger
    Membros dos Proud Boys marcham pela ponte Hawthorne durante uma manifestação sob o lema "End Domestic Terrorism" (Pare Turismo Doméstico), em Portland
    O militante é réu confesso. Em um post nas redes sociais, ele escreveu: "contra a vontade de meu advogado, aqui estou para admitir que eu sou a pessoa que queimou a bandeira". Na mesma publicação, Tarrio desafiou a polícia: "venham me prender se vocês acham que eu fiz foi errado. Vamos deixar o público decidir".

    Ao ser entrevistado para um programa de rádio local, no mês passado, Tarrio comemorou ser "a pessoa que tomou a iniciativa de acender o isqueiro e atear fogo na bandeira". "Estou muito feliz de ter feito isso", completou. 

    Os Proud Boys

    O grupo Proud Boys foi fundado em 2016 pelo canadense-britânico Gavin McInnes, ativista de extrema direita. O coletivo é formado por homens conservadores e favoráveis às políticas contra imigrantes

    Em novembro, durante uma manifestação do coletivo, uma mulher e três homens foram esfaqueados a poucos quarteirões da Casa Branca. Na ocasião, a ativista conservadora Bevelyn Beatty e o chefe dos Proud Boys, Enrique Tarrio, estavam envolvidos e sofreram ferimentos.

    A ativista conservadora Bevelyn Beatty e o presidente dos Proud Boys, Enrique Tarrio, com outra pessoa, foram esfaqueados pelo Black Lives Matter em Washington, DC.

    Manifestação em Washington em 6 de janeiro

    Assim como milhares de simpatizantes do presidente Donald Trump, os Proud Boys confirmaram presença na manifestação prevista para ocorrer em Washington nesta quarta-feira (6). O Congresso norte-americano ratificará os resultados das eleições presidenciais, e, consequentemente, a vitória do democrata Joe Biden.

    Partidários de Donald Trump, no entanto, acreditam que conseguirão evitar a confirmação dos resultados da votação. Um dos maiores incitadores do ato é o próprio presidente. Em uma rede social, ele divulgou a programação da manifestação que começará nos arredores da Casa Branca.

    Estarei lá. Dia histórico!

    Mais:

    Protestos feministas contra Trump reúnem milhares de pessoas em várias cidades dos EUA (VÍDEO)
    Milhares de apoiadores de Trump pedem 'mais 4 anos' em protesto na capital dos EUA (FOTOS)
    EUA têm centros especiais na Ucrânia e Polônia coordenando protestos na Bielorrússia, diz Lukashenko
    Tags:
    extrema-esquerda, extrema-direita, extrema direita, Eleições nos EUA, presos políticos, preso, Washington, DC, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar