07:53 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    112
    Nos siga no

    Nações da União Europeia (UE) e EUA teriam recusado o pedido da Venezuela de descongelamento de ativos para que a nação, severamente atingida por sanções, pudesse comprar vacinas contra o novo coronavírus, diz Nicolás Maduro.

    O presidente venezuelano indicou que o seu pedido foi rejeitado pelos governos de Portugal, Espanha, Reino Unido e EUA.

    "Os governos de Portugal, Espanha, Reino Unido e EUA, e suas instituições financeiras, congelaram e bloquearam os ativos [venezuelanos] para obter vacina. Exigimos através da OMS [Organização Mundial da Saúde] que [os governos acima citados] nos providenciassem acesso aos bens, que nos foram recusados", declarou Maduro no domingo (3).

    Maduro acrescentou que até a vice-presidente da nação venezuelana, Delcy Rodríguez, teria tentado falar com os ministros das Relações Exteriores dos países acima mencionados, mas a resposta foi a mesma.

    A recusa em questão poderia ser vista como parte das tentativas de derrubar Maduro do poder pelos EUA e por outros países ocidentais que apoiam o líder da oposição, Juan Guaidó. Uma dessas tentativas levou à imposição de pesadas sanções e ao congelamento dos bens venezuelanos.

    Atualmente, segundo a universidade Johns Hopkins (EUA), a Venezuela tem cerca de 114.230 casos confirmados de coronavírus, e já registrou 1.034 mortes pela doença.

    Mais:

    Governo brasileiro informa que veto de Bolsonaro não afetará aquisição de vacinas contra COVID-19
    Boris Johnson diz que pode endurecer ainda mais medidas de combate à COVID-19 no Reino Unido
    Evo Morales denuncia campanha político-midiática contra vacina russa Sputnik V
    Tags:
    Juan Guaidó, Ocidente, sanções econômicas, COVID-19, Venezuela, Nicolás Maduro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar