12:15 15 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)
    111
    Nos siga no

    O presidente da Argentina, Alberto Fernández, alertou nesta quinta-feira (31) que pode recorrer à ação das forças de segurança para evitar a aglomeração de pessoas nas ruas e frear a transmissão do coronavírus.

    "Se observarmos que a situação não está melhorando, veremos de que modo as forças de segurança começarão a atuar nas ruas para dissipar a população e evitar que essas aglomerações ocorram", disse o presidente em declarações à emissora local Radio 10.

    Diante do aumento de casos registrados no país sul-americano nos últimos dias, Alberto Fernández questionou o relaxamento ocorrido durante as comemorações na véspera de Natal, com "os rapazes reunidos nas praças sem máscaras, com música a todo volume porque as casas noturnas estão fechadas".

    Esta foi uma das conclusões a que o presidente chegou ontem (30) durante uma reunião com o governador da província de Buenos Aires, Axel Kicillof, e o chefe de governo da capital, Horacio Rodríguez Larreta.

    Após o encontro, o governo argentino decidiu que, apesar de não determinar o toque de recolher, estabelecerá "um toque sanitário, que já funcionou em muitas cidades do interior".

    Situação da COVID-19 na Argentina. Confirmados: 11.765 | Total: 1.613.928. Falecidos: 145 | Total: 43.163. Ocupação de leitos de UTI: 3440. Percentual de ocupação de leitos adultos de UTI: Nação 53,3%, Região Metropolitana de Buenos Aires: 57%.

    Sobre a reunião que manteve com as lideranças locais da cidade e da província de Buenos Aires, Fernández destacou que os três concordaram com o sentimento de que "dezembro foi um mês de descontração".

    “Houve manifestações e situações que fizeram o vírus circular mais rapidamente", frisou o presidente.

    Por fim, o chefe de Estado argentino acrescentou se reunirá novamente com Kicillof e Larreta na próxima semana para analisar a evolução dos casos de coronavírus no país.

    Tema:
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)

    Mais:

    Argentina oferece ajuda contra a COVID-19 para Uruguai e Bolívia
    Governo argentino: 'Não entendemos as demandas da Pfizer, parece que eles não têm fé na vacina'
    'Assistência? Estamos há 4 dias esperando uma resposta', diz argentino barrado na fronteira
    Tags:
    pandemia, COVID-19, Alberto Fernández, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar