07:30 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Por
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)
    0 41
    Nos siga no

    Na última sexta-feira (25), o governo argentino decidiu restringir a entrada de turistas e de cidadãos do país para frear a propagação da COVID-19. Em entrevista à Sputnik, o argentino Fernando Chaves disse que a medida pegou ele e sua família de surpresa.

    O governo da Argentina publicou na quinta-feira (24) da semana passada uma decisão administrativa que começou a vigorar a partir da primeira hora do dia 25 e impõe novas restrições para quem tentar entrar no território do país. De acordo com a decisão, as fronteiras terrestres com os países vizinhos - Brasil, Uruguai, Chile, Paraguai e Bolívia - permanecerão fechadas até o dia 9 de janeiro. Além disso, os voos de e para quatro países europeus - Reino Unido, Dinamarca, Itália e Países Baixos - e Austrália estão suspensos até a data mencionada.

    A medida foi tomada após o surgimento de uma nova cepa do SARS-CoV-2 no Reino Unido, que poderia ser até 70% mais contagiosa que a variante originária. No dia 21 de dezembro, o governo de Alberto Fernández já havia suspendido os voos do Reino Unido e, agora, ampliou as restrições para os outros quatro países citados, depois que os mesmos notificaram casos da nova variante do SARS-CoV-2, e também decidiu fechar as fronteiras terrestres devido ao aumento dos números da COVID-19 em Bolívia, Brasil e Uruguai, e em menor medida no Paraguai e no Chile.

    A Direção Nacional de Migrações determinou o fechamento das quatro passagens internacionais terrestres habilitadas até o momento, mas oferece a possibilidade para que os argentinos nativos, naturalizados e os estrangeiros residentes legais retornem a seu domicílio de residência por via terrestre. 

    Podem fazê-lo aqueles que tenham realizado o trânsito entre 1º e 25 de dezembro, que é o momento a partir do qual entram em vigor as restrições. Todos deverão cumprir as instruções do Ministério da Saúde: apresentar PCR negativo e realizar quarentena de sete dias.

    O endurecimento das restrições, no entanto, pegou muita gente de surpresa. A Sputnik Brasil conversou nesta quarta-feira (30) com Fernando Chaves, um engenheiro mecânico argentino que vive em Fortaleza, no Ceará, e partiu de carro com sua família da capital cearense para passar o Natal com seus familiares no país vizinho. O engenheiro conta que chegou a Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, na noite do dia 24, onde permanece retido até agora.

    Fernando é casado com a brasileira Débora, com quem têm dois filhos, Benício e Thiago, que têm dupla nacionalidade. O engenheiro conta que decidiu ir para a Argentina "depois que seu pai faleceu", "para dar apoio e conforto" para sua mãe que vive no país vizinho, mas que a decisão do governo o surpreendeu, pois, segundo ele, os motivos não estavam no decreto.

    Ao ser questionado que tipo de assistência estava sendo oferecida pelo consulado da Argentina em Uruguaiana, Fernando disse que está até agora aguardando uma resposta, e ressalta que ele e sua família estão passando por dificuldades.

    "Assistência? Estamos aqui no consulado há quatro dias esperando uma resposta. Ontem [29], eu tive que juntar dinheiro para poder pagar um quarto, pois meu filho estava com início de desidratação", conta Fernando.

    O engenheiro revela que ele e sua família estão recebendo ajuda de um senhor de Uruguaiana, que lhes deu comida, e afirma que a única coisa que deseja é estar com sua mãe neste momento tão difícil.

    Além de Fernando, a Sputnik também falou com outro cidadão argentino que estava retido na fronteira. O rapaz, que pediu para não ser identificado, revelou que já está em território argentino, mas que, para isso, foi necessário tomar uma medida drástica e cruzar a fronteira ilegalmente. A fonte não quis oferecer mais detalhes nem conceder uma entrevista formal à Sputnik, pois teme represálias das autoridades por ter atravessado a linha divisória de maneira irregular.

    A Sputnik Brasil também fez contato com o consulado argentino em Uruguaiana. As autoridades consulares, por sua vez, disseram que não estão autorizadas pelo governo a emitir qualquer posicionamento oficial, mas ressaltaram que estão oferecendo toda a assistência possível aos cidadãos argentinos que foram barrados na fronteira.

    As autoridades diplomáticas informaram que as medidas que passaram a vigorar no último dia 25 foram tomadas pela Direção Nacional de Migrações e são bastante inflexíveis, mas acrescentaram que algumas pessoas com necessidades especiais, como mulheres grávidas, pessoas doentes e com crianças pequenas foram autorizadas a entrar em território argentino.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)

    Mais:

    Argentina oferece ajuda contra a COVID-19 para Uruguai e Bolívia
    Argentina começa vacinação contra COVID-19 com Sputnik V (VÍDEO)
    'Barbárie', diz Ernesto Araújo sobre legalização do aborto na Argentina
    Tags:
    fechar fronteira, COVID-19, Brasil, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar