01:03 07 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, denunciou hoje (29) que a Espanha está protegendo o opositor Leopoldo López, a quem acusou de promover um plano terrorista para desestabilizar o país sul-americano.

    "Há indícios diretos de que o foragido da justiça, o terrorista Leopoldo López, de Madri, Espanha, com o apoio de toda a direita espanhola, está na vanguarda desse plano terrorista; temos algumas coisas em nossas mãos e vamos nos manifestar sobre elas nos próximos dias", disse Maduro durante um discurso nesta terça-feira (29), segundo a emissora estatal Venezolana de Televisión (VTV).

    Maduro pediu ao chanceler Jorge Arreaza que fizesse contato com a ministra de Relações Exteriores da Espanha, Arancha González Laya, para notificá-la sobre todas as informações relativas aos supostos planos terroristas de López.

    "De Madri, Espanha, Leopoldo López está protegido em seus planos de plantar bombas, matar, assassinar e encher a Venezuela de violência", afirmou o presidente.

    Maduro lembrou que López esteve na Colômbia, onde se reuniu com o ex-presidente Álvaro Uribe e o atual chefe de Estado Iván Duque para, segundo ele, promover ações violentas em diferentes estados da Venezuela contra diversas unidades militares e policiais, e também contra os governadores.

    Desarticulamos um plano terrorista para atentar contra a instalação da nova Assembleia Nacional em 5 de janeiro, orquestrado pelo foragido da justiça venezuelana, Leopoldo López. Instruí o chanceler Jorge Arreaza a fazer contato com a embaixada da Espanha. Alerta máximo! 

    Operação Boicote

    Ainda nesta terça-feira (29), a ministra do Interior, Justiça e Paz da Venezuela, Carmen Meléndez, anunciou que o governo do país sul-americano conseguiu desmantelar a Operação Boicote, um plano promovido pela direita, com apoio internacional, para impedir a instalação da nova Assembleia Nacional no dia 5 de janeiro, informou a emissora teleSUR.

    Segundo o governo venezuelano, a operação tinha como objetivo assassinar deputados, o procurador-geral Tarek William Saab e realizar ataques contra empresas estatais estratégicas para gerar pânico no país entre os dias 27 de dezembro e 5 de janeiro.

    Mais:

    Consolidou paz na Venezuela: presidente da Assembleia Constituinte faz balanço final do órgão
    Venezuela se transformou em uma plataforma do crime organizado, afirma Ernesto Araújo
    Biden deve buscar solução para crise da Venezuela sem exigir renúncia de Maduro, aponta mídia
    Tags:
    terrorismo, Colômbia, Leopoldo López, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar