15:23 15 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)
    5332
    Nos siga no

    Voo especial das Aerolíneas Argentinas pousou às 10h25, no horário de Brasília, desta quinta-feira (24) em Buenos Aires com as primeiras 300 mil doses da Sputnik V.

    O voo se iniciou ontem (23) na capital russa Moscou e foi realizado por uma aeronave Airbus 330 da companhia aérea. No seu interior, havia 56 contêineres da vacina russa contra o coronavírus.

    A aeronave havia partido anteriormente à Rússia para a realização do transporte da vacina, uma operação que levou 40 horas para ser cumprida.

    O primeiro lote de hoje terá como objetivo vacinar 300 mil pessoas até o final do ano.

    Desta forma, segundo reportou o jornal La Nación, a vacina russa é a primeira a chegar ao país sul-americano para a "maior vacinação da história", nas palavras do governo argentino.

    Autorização da vacina na Argentina

    Na quarta-feira (23), a Argentina se tornou o primeiro país latino-americano a autorizar o uso da Sputnik V em seu território.

    Em um comunicado ao Ministério da Saúde da Argentina, a Administração Nacional de Medicamento, Alimentos e Tecnologia Médica (ANMAT, na sigla em espanhol) do país ressaltou que a Sputnik V "não apresentou eventos adversos graves nem faltou a menor eficácia nos diferentes grupos etários para os quais está indicada atualmente".

    A opinião da ANMAT reforça as repetidas declarações do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo) sobre a segurança da vacina.

    Por final, o documento, publicado pelo jornal Clarín, afirmou:

    "Os benefícios conhecidos e potenciais para a saúde da população são superiores à incerteza que possa existir. Esta Administração Nacional recomenda que o ministro da Saúde da Nação avance na Autorização de Emergência, tendo em conta a vacina referenciada neste informe."

    Também nesta quarta-feira, o diretor-geral do RFPI, Kirill Dmitriev, afirmou que espera que a Argentina inicie a produção da Sputnik V já no segundo semestre de 2021.

    Ainda comentando a presença da vacina na América do Sul, Dmitriev disse que o imunizante deve ser também produzido no Brasil.

    "Nós planejamos a produção da vacina no Brasil, e é possível a produção da vacina na Argentina."

    Vacinação na Argentina

    Embora ainda não se saiba a data do início da vacinação com a Sputnik V na Argentina, o evento deverá se dar a partir da semana que vem, segundo o chefe de gabinete de ministros argentino, Santiago Cafiero.

    "Será na próxima semana", disse a autoridade enquanto estava no Aeroporto Internacional de Ezeiza, em Buenos Aires, no evento da chegada do avião.

    Atualmente, o governo está ajustando os detalhes para o plano de imunização da população. Médicos argentinos já começaram a receber um manual das diretrizes técnicas para a campanha.

    O governo argentino planeja adquirir mais de 51 milhões de doses de vacinas, que resultariam na maior vacinação no país. Ao todo, 7.749 postos médicos e 126 mil pessoas, entre agentes sanitários e voluntários, serão mobilizados na campanha.

    Tema:
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)

    Mais:

    França autoriza uso da vacina contra COVID-19 Pfizer/BioNTech
    Bolsonaro diz que melhor vacina contra a COVID-19 'é o vírus' (VÍDEO)
    COVID-19: profissional da saúde de Nova York tem reação alérgica grave à vacina Pfizer, diz mídia
    Tags:
    COVID-19, novo coronavírus, Argentina, Rússia, vacina, Sputnik V
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar