15:28 21 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)
    191
    Nos siga no

    O diretor-geral do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo), Kirill Dmitriev, disse nesta quarta-feira (23) que espera que a Argentina comece a produzir a vacina Sputnik V no segundo trimestre de 2021.

    "Esperamos que a produção comece na Argentina no segundo trimestre do ano", disse Dmitriev durante videoconferência que contou com a participação da Sputnik.

    O diretor-geral do RFPI esclareceu que o próximo ano "será o ano da escassez da vacina", porque "não será suficiente para todas as pessoas no mundo que dela necessitam".

    "É por isso que você tem que trabalhar com muitos produtores, associar e não competir", disse ele durante sua apresentação.

    O RFPI negocia com diversos laboratórios argentinos a possibilidade de produzir a vacina, já que o país sul-americano "tem instalações muito boas", bem como "excelentes empresas farmacêuticas" com as quais o Fundo pode se associar.

    "Acreditamos que dali [da Argentina] o imunizante possa ser exportado para o resto da América Latina", afirmou Dmitriev.

    Dessa maneira, "países como Índia, China, Coreia, Brasil e Argentina, entre outros, poderão produzir a vacina em seus territórios", acrescentou o diretor-geral do Fundo.

    Diretor-geral da RFPI Kirill Dmitriev: "Esperamos que o primeiro carregamento da Sputnik V chegue logo à Argentina, o que será uma boa notícia para o Natal."

    Acesso à vacina

    O diretor-geral do RFPI também comemorou o fato de o Ministério da Saúde argentino ter aprovado nesta quarta-feira (23) a aplicação da Sputnik V por recomendação da Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica (ANMAT, na sigla em espanhol) do país sul-americano.

    "A homologação e o envio [da vacina] acontecem logo no Natal, o que é muito bom", afirmou Dmitriev.

    ​Em outra parte da conversa, o diretor-geral observou que "os testes realizados em pessoas com mais de 60 anos foram concluídos com sucesso e a vacina mostrou grande segurança e eficácia".

    O ministro Ginés García assinou a resolução que autoriza o uso da vacina Sputnik V por recomendação da ANMAT e sob a modalidade de emergência. A vacina está mais próxima, mas a pandemia não acabou. Continuemos cuidando uns dos outros, respeitemos as recomendações sanitárias.

    Os resultados dos estudos clínicos que dão base para essa afirmação serão publicados nos próximos dias.

    "Assim que as vacinas estiverem disponíveis para aplicação na Argentina, elas já terão sido aprovadas na Rússia para maiores de 60 anos", disse Dmitriev.

    Um avião da empresa Aerolineas Argentinas decolou hoje (23) de Moscou às 22h40, no horário local (16h40 em Brasília), com destino a Buenos Aires para levar as primeiras 300 mil doses da vacina Sputnik V contra a COVID-19 para o país sul-americano.

    A viagem será direta e levará cerca de 18 horas, portanto, o avião está programado para pousar no aeroporto de Ezeiza, na província de Buenos Aires, nesta quinta-feira (24), às 9h39 locais (mesmo horário em Brasília).

    Tema:
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)

    Mais:

    Argentina assina contrato de compra da vacina Sputnik V da Rússia
    Centro Gamaleya: Sputnik V poderá oferecer 2 anos de imunidade contra COVID-19
    Eficácia da vacina russa Sputnik V contra casos graves de coronavírus é de 100%
    Tags:
    COVID-19, vacina, Rússia, Argentina, Sputnik V
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar