08:54 28 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 91
    Nos siga no

    O presidente dos EUA, Donald Trump, disse nesta quarta-feira (23) que se recusou a assinar a Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA, na sigla em inglês) porque ela seria um presente para China e Rússia.

    Conforme havia anunciado que faria no último dia 13, Trump devolveu hoje (23) para a Câmara dos Representantes, sem sua aprovação, o projeto de lei H.R. 6395, a Lei de Autorização de Defesa Nacional para o ano fiscal de 2021.

    "Infelizmente, a lei não inclui medidas críticas de segurança nacional, inclui disposições que não respeitam nossos veteranos e a história de nossas Forças Armadas e contradiz os esforços de meu governo para colocar os Estados Unidos em primeiro lugar em nossas ações de segurança nacional e política externa", afirmou o presidente em um comunicado remetido à Câmara dos Representantes dos EUA.

    Embora reconheça a importância da NDAA para a segurança nacional, Trump disse que o orçamento de defesa de 2021, em seu formato atual, é um "presente" para a China e a Rússia.

    O maior vencedor de nosso novo orçamento de Defesa é a China! Vou vetar!

    Trump também criticou os legisladores por não terem revogado partes do Communications Decency Act, mais notadamente a seção 230, que fornece proteção legal para empresas de mídia social, dizendo que isso representa uma séria ameaça à segurança nacional. Além disso, Trump afirmou que a NDAA restringe a capacidade do Poder Executivo de reduzir o envolvimento dos EUA em guerras.

    "Numerosas disposições da Lei contradizem diretamente a política externa de meu governo, particularmente meus esforços para trazer nossas tropas para casa", disse Trump. "Eu me oponho a guerras sem fim, assim como o público americano. Apesar das objeções bipartidárias, no entanto, esta lei pretende restringir a capacidade do presidente de retirar tropas de Afeganistão, Alemanha e Coreia do Sul", acrescentou.

    O presidente em fim de mandato disse que, como o "comandante em chefe" do país, ele tem o poder executivo para determinar quantas tropas devem permanecer no exterior.

    "O Congresso não pode atribuir essa autoridade a si mesmo, direta ou indiretamente, como supostas restrições de gastos", disse ele.

    A NDAA possui diversas outras disposições que foram alvo das críticas de Trump, incluindo a renomeação de certas instalações militares e a limitação da quantidade de fundos para o setor de construção militar.

    "Por todas essas razões, não posso apoiar este projeto", afirmou o presidente norte-americano. "Não aprovarei este projeto de lei, que colocaria os interesses do 'establishment' de Washington acima dos do povo americano. É meu dever devolver o H.R. 6395 à Câmara dos Representantes sem minha aprovação", acrescentou.

    A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos realizará uma votação para derrubar o veto de Trump em 28 de dezembro e o Senado no dia seguinte, disseram os líderes de ambas as casa legislativas.

    A presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, também emitiu um comunicado no qual condena a decisão de Trump de não assinar a NDAA.

    Por 60 anos, a Lei de Autorização da Defesa Nacional [NDAA, na sigla em inglês] foi aprovada de forma bipartidária e bicameral. O veto presidencial da NDAA é um ato de imprudência que prejudica nossas tropas, ameaça nossa segurança e mina a vontade do Congresso.

    "Em uma época na qual o nosso país acabou de ser alvo de um ataque cibernético maciço, é particularmente difícil entender as razões por trás da irresponsabilidade do presidente. [...] Na próxima semana, no dia 28 de dezembro, a Câmara assumirá a votação para derrubar o veto com apoio bipartidário", disse Pelosi. 

    Mais:

    EUA adicionam 4 empresas chinesas 'ligadas' aos militares à lista negra do Departamento de Defesa
    Biden confirma indicação de Lloyd Austin ao cargo de secretário de Defesa dos EUA
    Como EUA podem acelerar capacidades de defesa para 'acompanhar ritmo' da China e Rússia no Ártico?
    Tags:
    Nancy Pelosi, Câmara dos Representantes, orçamento, Defesa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar