22:39 15 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)
    2120
    Nos siga no

    O Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo) anunciou nesta quarta-feira (23) o registro da vacina russa Sputnik V contra o coronavírus pela Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Dispositivos Médicos da Argentina (ANMAT).

    "Com a aprovação da ANMAT, a Sputnik V se tornará uma parte importante do portfólio nacional de vacinas contra o coronavírus da Argentina e fará uma contribuição significativa para garantir a segurança pública contra a pandemia", afirmou Kirill Dmitriev, diretor-geral do Fundo Russo de Investimentos Diretos.

    As informações foram confirmadas pelo site oficial da Sputnik V. 

    URGENTE: Argentina registrou a Sputnik V com base em dados de ensaios clínicos russos e tornou-se o primeiro país da América Latina a aprovar esta vacina. O registro confirma a alta confiança nos padrões regulatórios russos e na Sputnik V.

    O presidente da Argentina, Alberto Fernández, havia declarado no dia 3 de dezembro que assinaria um contrato com a Rússia para adquirir a vacina Sputnik V. De acordo com ele, o governo argentino pretende vacinar 300 mil pessoas com o imunizante antes do final do ano.

    A vacina foi registrada nesta quarta-feira (23) sob o procedimento de autorização de uso emergencial, sendo aprovada pelo regulador ANMAT, com base nos resultados dos ensaios clínicos de fase três na Rússia.

    Diretor-geral do RFPI, Kirill Dmitriev, durante encontro entre investidores e o presidente Vladimir Putin, em 11 de março de 2020
    © Sputnik / Mikhail Klementiev
    Diretor-geral do RFPI, Kirill Dmitriev, durante encontro entre investidores e o presidente Vladimir Putin, em 11 de março de 2020
    Kirill Dmitriev comentou também a respeito da decisão do governo da Argentina, que oficializou a Sputnik V como a segunda vacina autorizada para combater a pandemia de coronavírus no país.

    "O registro da vacina Sputnik V na Argentina sem ensaios clínicos adicionais no país é uma prova dos padrões regulatórios russos e da qualidade dos ensaios clínicos. Estamos prontos para desenvolver cooperação sobre a vacina com outros países da América Latina e esperamos que eles levem em consideração a decisão da ANMAT", afirmou.

    No dia 10 de dezembro, a RFPI e o governo da Argentina firmaram contrato para fornecimento de 10 milhões de doses da Sputnik V ao país. Representantes da ANMAT inspecionaram vários locais de produção de vacinas que fornecerão o imunizante russo à Argentina. ​Esse procedimento será facilitado por parceiros internacionais da RFPI, como a Índia, China, Coréia do Sul e outros países.

    A Sputnik V

    A eficácia da Sputnik V é de 91,4%. O cálculo foi baseado na análise de dados de voluntários, que receberam a primeira e a segunda doses da vacina Sputnik V ou placebo no terceiro e último ponto de controle de 78 casos confirmados, de acordo com os ensaios clínicos de fase três.

    A vacina demonstrou eficácia de 100% contra casos graves de coronavírus. Além de sua taxa de eficácia, a vacina é baseada em uma plataforma segura e bem estudada de vetores adenovirais humanos. O custo de uma dose é inferior a US$ 10 (R$ 52,10) para os mercados internacionais. Ela é armazenada a uma temperatura de dois a oito graus Celsius, o que permite seu armazenamento e fácil distribuição.

    Frascos da vacina Sputnik V (foto de arquivo)
    © Sputnik / RFPI e Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya
    Frascos da vacina Sputnik V (foto de arquivo)
    Tema:
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)

    Mais:

    Pessimismo com Brasil e Argentina tem razões políticas e econômicas, diz especialista
    Manifestantes protestam contra projeto de legalização do aborto na Argentina
    Argentina detecta nova presença de nuvem de gafanhotos perto do Brasil (VÍDEO)
    Tags:
    COVID-19, vacinação, Sputnik V, América Latina, Rússia, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar