20:31 05 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)
    0 20
    Nos siga no

    O governo argentino trabalha para destravar as negociações com a farmacêutica norte-americana: o imbróglio envolve a aprovação de uma lei no Congresso que garanta a imunidade da Pfizer à justiça local.

    A Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica (ANMAT) da Argentina aprovou nesta quarta-feira (23) o uso emergencial da vacina da Pfizer contra o novo coronavírus no país.

    Segundo a ANMAT, a vacina da Pfizer "apresenta uma relação risco-benefício aceitável que permite subsidiar a concessão do registro e a autorização condicional do produto para a indicação solicitada", conforme informa a AP.

    Esta é a primeira vacina contra a COVID-19 autorizada na Argentina. No entanto, o governo do país ainda tenta um acordo para a compra da vacina produzida pela farmacêutica norte-americana.

    O imbróglio entre o governo local e a Pfizer envolve a exigência da aprovação de uma lei no Congresso argentino que garanta a imunidade da Pfizer à justiça local, cláusula comum imposta pelos laboratórios produtores da vacina contra possíveis litígios. A regra que foi aprovada na Argentina no final de outubro permite apenas uma mudança de jurisdição previamente definida em contrato – medida que não teria satisfeito a Pfizer.

    O Ministro da Saúde argentino, Ginés González García, chegou a afirmar nesta semana que a Argentina não havia chegado a um acordo com a Pfizer porque a farmacêutica exige "condições um tanto inaceitáveis"​.

    Em Purs, na Bélgica, um caminhão refrigerado deixa um fábrica da Pfizer, em 3 de dezembro de 2020
    © REUTERS / Yves Herman
    Em Purs, na Bélgica, um caminhão refrigerado deixa um fábrica da Pfizer, em 3 de dezembro de 2020

    Enquanto tenta destravar as negociações com a Pfizer, a Argentina aguarda, nesta quinta-feira (24), a chegada das primeiras 300 mil doses da vacina russa Sputnik V. O presidente argentino, Alberto Fernández, ainda não especificou com qual vacina começará a imunizar os argentinos, mas garantiu que o país vai "vacinar a todos, estamos trabalhando para isso".

    A COVID-19 na Argentina já causou mais de 42 mil mortes, além de ter infectado mais de 1,5 milhão de pessoas, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

    Tema:
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)

    Mais:

    Comissão Europeia aprova vacina da Pfizer e BioNTech contra COVID-19
    Vacina pode ser ajustada para combater nova cepa do novo coronavírus, diz CEO da BioNTech
    Anthony Fauci e secretário de Saúde dos EUA recebem vacina contra COVID-19 da Moderna
    Fiocruz: vacina da AstraZeneca começará a ser entregue em fevereiro no Brasil
    COVID-19: Canadá anuncia a aprovação da vacina da Moderna
    Tags:
    vacina, Pfizer, pandemia, novo coronavírus, COVID-19, Alberto Fernández, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar