21:58 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)
    190
    Nos siga no

    É o segundo imunizante a ser aprovado pela Administração de Alimentos e Medicamentos no país que tem 313 mil mortos pelo novo coronavírus. O primeiro foi o da Pfizer semana passada.

    A Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos autorizou nesta sexta-feira (18) o uso emergencial da vacina da farmacêutica norte-americana Moderna contra a COVID-19, informou a agência em um comunicado, 

    "Hoje [sexta-feira, 18] a FDA deu autorização de utilização de emergência para a segunda vacina para a prevenção da doença COVID-19 causada por síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2). A autorização de utilização de emergência permite que a vacina seja distribuída nos Estados Unidos para utilização em indivíduos de 18 anos de idade ou mais", disse o órgão.

    A decisão da FDA leva à população mais uma carga de milhões de doses de imunizantes contra o novo coronavírus já na próxima semana.

    A medida fará da vacina da Moderna a segunda a chegar ao público norte-americano, depois da também norte-americana Pfizer em parceria com a farmacêutica alemã BioNTech, que foi autorizada na sexta-feira (11).

    A decisão da FDA deve priorizar trabalhadores de saúde, além de pessoas de 65 anos ou mais, e cidadãos com condições que aumentam o risco de se infectarem com a COVID-19.

    O rápido progresso desde os ensaios laboratoriais, passando pelos ensaios em pessoas até a inoculação pública tem sido revolucionário, impulsionado pela necessidade urgente de o país vencer a pandemia que tem batido recordes de mortes, hospitalizações e perdas econômicas nos Estados Unidos.

    Só na última semana, houve uma média de 213 mil casos por dia, um aumento de 18% em relação à média das duas semanas anteriores. E o número de mortes diárias nos últimos dias ultrapassou os 3.200.

    Segundo a Universidade Johns Hopkins, o país tem 17,416 milhões de infectados e 313 mil mortos pela COVID-19.

    'Momento histórico'

    O Dr. Anthony S. Fauci, maior especialista em doenças infecciosas dos Estados Unidos, considerou o fato de o país ter duas vacinas "um momento histórico".

    "Isto para mim é um triunfo do investimento plurianual em investigação biomédica que culminou em algo que não só foi feito em tempo recorde, no sentido de nunca antes ninguém ter sequer imaginado que levaria vacinas às pessoas em menos de um ano a partir do momento em que a sequência foi dada a conhecer", disse o Dr. Fauci. "Este é um exemplo de trabalho governamental. Funcionou muito bem".

    A Moderna, uma empresa sediada em Cambridge, no estado de Massachussets, trabalhou com a agência de Fauci nos Institutos Nacionais de Saúde para criar uma vacina que, juntamente com a da Pfizer-BioNTech, foca em uma nova tecnologia baseada em material genético chamado "mensageiro" ou "mRNA".

    Em ensaios clínicos em dezenas de milhares de voluntários, as vacinas revelaram-se 94% a 95% eficazes. Cada uma requer duas doses.

    Distribuição de vacinas

    A autorização de emergência dá início a uma rápida e complexa campanha de distribuição de cerca de 5,9 milhões de doses da vacina da Moderna em todo o país com o envio começando no domingo (20) e as entregas na segunda-feira (21). As primeiras vacinas da Moderna poderiam então ser dadas horas mais tarde.

    Como a vacina da Moderna, ao contrário da Pfizer-BioNTech, não necessita de armazenamento a frio extremo e é entregue em lotes menores, os estados esperam fornecê-la a áreas menos povoadas, alcançando hospitais rurais, departamentos de saúde locais e centros de saúde comunitários que não se encontravam no topo da lista de distribuição.

    Três locais que não receberam a vacina da Pfizer-BioNTech - as Ilhas Marshall, Micronésia e Palau - receberão a da Moderna por essa razão, de acordo com um funcionário federal familiarizado com os planos de distribuição do governo.

    E, em contraste com o lançamento da Pfizer na semana passada, a entrega da vacina da Moderna será gerida pelo governo federal sob o financiamento da Operação Warp Speed, um programa para desenvolver e distribuir vacinas o mais rapidamente possível.

    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)

    Mais:

    Comitê aprova, e EUA estão perto de começar a aplicar a vacina da Moderna
    Vacina da Moderna garante imunidade por pelo menos 3 meses após a 2ª dose, diz estudo
    Trump anuncia aprovação de vacina da Moderna contra COVID-19
    Tags:
    COVID-19, Food and Drugs Administration (FDA), Pfizer, Estados Unidos, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar