12:16 15 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)
    225
    Nos siga no

    Uma série de e-mails revelou a influência de um alto funcionário de saúde sob a administração Trump, que defendeu a disseminação do novo coronavírus entre jovens para obter "imunidade natural".

    E-mails internos da administração Trump, obtidos pelo jornal Politico na quarta-feira (16), revelaram que Paul Alexander, um assessor de saúde de alto nível, exortou repetidamente a disseminação intencional da COVID-19 entre milhões de pessoas.

    O então conselheiro científico entrou no Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) dos EUA no final de março de 2020. Em julho, Alexander não poupou esforços em criticar a administração Trump sobre a necessidade de relaxar as restrições de distanciamento social e permitir que a COVID-19 se espalhasse, dizendo que isso criaria uma "imunidade de rebanho" para o vírus.

    "Não há outra maneira, precisamos estabelecer um rebanho, e isso só chega ao permitir que os grupos sem alto risco se exponham ao vírus. Ponto final", escreveu Alexander em um e-mail de 4 de julho para seu chefe, o subsecretário para assuntos públicos do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS), Michael Caputo, secretário adjunto de assuntos públicos do HHS, e outros seis altos funcionários.

    "Bebês, crianças, adolescentes, jovens, jovens adultos, de meia idade sem condições etc. têm zero a pouco risco [...] por isso os usamos para desenvolver o rebanho [...] queremos que sejam infectados", insistiu Alexander.

    Em outro e-mail enviado ao comissário da Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês), Stephen Hahn, Caputo e a outros oito altos funcionários, Alexander insistiu que "talvez seja melhor abrir e inundar a zona e deixar que as crianças e os jovens sejam infectados" a fim de obter "imunidade natural [...] exposição natural".

    Em outro e-mail de 24 de julho, do qual o Politico não nomeou os destinatários, Alexander deixou claro que sabia que o relaxamento das restrições de distanciamento social causaria um aumento nos casos.

    CDC não resistem à pressão

    Em setembro, Alexander pressionou com sucesso os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) a alterar o título de um relatório científico sobre a taxa de mortalidade de jovens da COVID-19, ocultando seus efeitos sobre os grupos em idade escolar.

    Como exemplo, o título do relatório de 15 de setembro teve as palavras "crianças, adolescentes e jovens adultos" retiradas do título e substituídas pela palavra "pessoas", que não transmite nenhuma informação sobre a faixa etária estudada. A palavra "pediátrico", usada na área médica para se referir a menores de 21 anos, foi removida por completo, de acordo com o Politico.

    Suas ideias também influenciaram claramente as principais figuras da administração. Em 8 de julho, Trump começou a exercer intensa pressão sobre os melhores especialistas em saúde pública para que relaxassem suas recomendações sobre as escolas dos EUA, de forma a poderem reabrir com segurança sem causar a disseminação da COVID-19.

    Opositores de Trump marcham em resposta a várias manifestações favoráveis ao presidente em Washington
    © REUTERS / Leah Millis
    Opositores de Trump marcham em resposta a várias manifestações favoráveis ao presidente em Washington

    Nesse mesmo dia, a secretária de Educação dos EUA, Betsy DeVos, que ameaçou reter o financiamento federal das escolas que se recusassem a reabrir totalmente, disse ao canal Fox News que "não há desculpa para as escolas não reabrirem novamente e para que as crianças possam aprender novamente em tempo integral. Os dados não sugerem nada diferente".

    Alexander acabou deixando o HHS em 16 de setembro, com a organização expressando distanciamento de suas ideias.

    Aumento de casos com reabertura

    Nos Estados Unidos, as escolas públicas normalmente terminam suas férias na última semana de agosto ou na primeira semana de setembro, e após deliberarem sobre regras de segurança, muitas escolas estaduais abriram suas portas mais ou menos a tempo, embora muitas outras tenham decretado reaberturas parciais ou optado por ter crianças ficando em casa e realizando seus primeiros semestres escolares à distância.

    De acordo com dados dos CDC, em 13 de setembro os EUA atingiram sua mais baixa média móvel de sete dias para novos casos diários da COVID-19 desde 13 de junho: 35.477 casos. Depois disso, os novos casos subiram acentuadamente e, em 15 de dezembro, a média de sete dias foi de 211.356 novos casos por dia.

    Um total de 16,5 milhões de americanos contraíram o vírus, mais dez milhões que o registrado em 1º de setembro, e quase 303.000 norte-americanos morreram devido à pandemia, segundo dados de 15 de dezembro.

    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)

    Mais:

    Com restrições da COVID-19, residentes de Ohio, EUA, são instruídos a não visitar o próprio estado
    Principal epidemiologista dos Estados Unidos faz apelo e pede para fechar os bares
    Imunidade à COVID-19 pode durar poucos meses, aponta estudo no Reino Unido
    Tags:
    Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, CDC, FOX News, Betsy DeVos, Food and Drugs Administration (FDA), COVID-19, Politico, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar