00:29 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    181
    Nos siga no

    Enquanto se prepara para elaboração de uma nova Constituição, o Chile aprovou na noite de terça-feira (15) um projeto de lei que reserva 17 dos 155 assentos de sua convenção constitucional para representantes de comunidades indígenas.

    A medida foi enaltecida pelo governo do presidente Sebastián Piñera, que falou em um "marco histórico", escreve a Reuters. Para ministra de Desenvolvimento Social, Karla Rubilar, esta será a "Carta com que todos sonhamos".

    Hoje é um dia histórico! Com a aprovação dos assentos reservados no Congresso, a Nova Constituição do Chile com que todos sonhamos será escrita ao lado de indígenas. Obrigado aos deputados e senadores que estiveram à altura de dar esse passo e deram representação aos Povos Indígenas!

    Em outubro, após um plebiscito, a maioria dos chilenos votaram a favor da criação de uma nova Constituição, o que dá fim à Carta dos tempos da ditadura de Augusto Pinochet. 

    A revisão das leis chilenas foi uma exigência dos protestos em massa contra a desigualdade que aconteceram em 2019 e 2020. Com a nova constituinte, a população deseja garantir mais igualdade no sistema de saúde, nas pensões e na educação. 

    Em outro plebiscito, a maior parte dos eleitores disse querer que a nova Carta seja redigida por um grupo de cidadãos eleito especialmente, e dividido igualmente entre homens e mulheres.

    Manifestantes durante protesto antigovernamental em Santigo do Chile
    © REUTERS / Ivan Alvarado
    Manifestantes durante protesto antigovernamental em Santigo do Chile
    A legislação aprovada ontem (15) estabelece um número fixo de assentos para cada uma das principais comunidades indígenas da nação sul-americana que devem participar da elaboração do texto. Os Mapuche, o maior e mais conhecido destes grupos indígenas, devem receber sete das 17 cadeiras.

    A convenção que vai redigir a nova Constituição será eleita em abril, e tem até um ano para acertar um esboço de texto. As propostas precisam ser aprovadas por uma maioria de dois terços dos deputados, e depois os chilenos votarão novamente para decidir se aceitam o texto ou se querem manter a Constituição anterior.

    Mais:

    Chile: Piñera faz sua 5ª reformulação ministerial
    Chile anuncia incorporação da tecnologia 5G
    Chile autoriza importação do medicamento russo Avifavir contra COVID-19
    Tags:
    povos indígenas, indígenas, Assembleia Constituinte, Constituinte, eleições chilenas, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar