07:14 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)
    0 30
    Nos siga no

    Uma médica colombiana teve de reaprender a falar e escrever após passar mais de dois meses em uma unidade de terapia intensiva (UTI) com COVID-19.

    Delfina Polo Vivero, de 30 anos, trabalhava em um grupo contra a COVID-19 da Polícia Nacional, tendo sido infectada em 7 de junho, conta a mídia local.

    A médica, com antecedentes de asma em seu histórico clínico, foi hospitalizada em Cartagena, sua região natal, mas teve de ser mais tarde transferida para a UTI da Fundação Cardiovascular da Colômbia, em Floridablanca, por causa de complicações.

    Delfina foi intubada e submetida a uma traqueotomia e três diálises, tendo sofrido duas paradas cardiorrespiratórias e falência múltipla de órgãos. No final, chegou a perder 25 quilos, mas agora não se recorda de tal sofrimento.
    ina Polo Vivero, médica colombiana que foi severamente afetada pela COVID-19
    Delfina Polo Vivero, médica colombiana que foi severamente afetada pela COVID-19

    "Deram-me alta em 22 de agosto e incapacidade por seis meses, tive de voltar a aprender a falar, abrir a boca, escrever, caminhar, me vestir, dirigir", escreveu em sua página de Facebook. Delfina pôde finalmente voltar a ter uma vida normal após longa e dura recuperação, mas ficou com sequelas tais como hipertensão, diabetes e necessidade de anticoagulantes.

    No entanto, Delfina se viu obrigada a voltar ao trabalho em apenas três meses, para poder pagar suas contas. "Aqui na Colômbia para se ter algo deve-se ser amigo dos bancos", escreveu. "As dívidas não se alimentam de doença e incapacidade, mesmo que você esteja acamada".

    Deste modo, Polo Vivero denunciou que, tanto ela como muitos médicos na linha da frente, não receberam o abono da COVID-19 pelo Estado, algo que Delfina descreve como triste, uma vez que a infecção lhe deixou marcas para a vida.

    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)

    Mais:

    Após dar aval à Pfizer, Bahrein aprova vacina chinesa da Sinopharm contra a COVID-19
    Filho de Nicolás Maduro declara Rússia como 'baluarte' da medicina após ser vacinado com Sputnik V
    A saga dos monólitos chega à América do Sul: peça dourada aparece na Colômbia (VÍDEO, FOTOS)
    Tags:
    América Latina, governo, médicos, infecção, COVID-19, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar