01:24 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)
    8292
    Nos siga no

    Nicolás Maduro Guerra, deputado eleito para a Assembleia Nacional, foi um dos primeiros cidadãos venezuelanos a ser vacinado contra a COVID-19, com uma dose da vacina russa Sputnik V.

    Ao participar da terceira fase de ensaios clínicos da vacina russa, o filho do presidente da Venezuela quis "dizer ao mundo" que seu país "confia na Rússia", em sua medicina e ciência. Nicolás Maduro Guerra recebeu a vacina juntamente com outras centenas de voluntários venezuelanos.

    Nas palavras do deputado, a Rússia se tem vindo a mostrar como o "baluarte" da medicina. Enquanto alguns outros países, que também estão desenvolvendo suas vacinas, "se concentram [antes] em promover guerras, intervir, em sancionar, em causar danos".

    Por outro lado, a "Rússia está na vanguarda da humanidade [...] se concentra em encontrar curas para as doenças do mundo. A Rússia se concentra em levar saúde à humanidade. Por isso, confiamos na Rússia, confiamos em seu governo, em seu povo que tem sido muito generoso com o povo venezuelano. Nós retribuímos com respeito [...] em mim, e na juventude venezuelana, a Rússia tem um aliado para continuar construindo e aprofundando as relações [...] isto não é mais que uma demonstração do profundo carinho e respeito que temos pela Federação da Rússia", enfatizou.

    Perante tais palavras, o embaixador russo na capital venezuelana Caracas, Sergei Melik-Bagdasarov, elogiou na rede social Twitter a participação do filho do presidente Maduro da vacinação.

    [Estou] muito orgulhoso de estar presente no momento em que o recém-eleito deputado nacional, Nicolás Maduro Guerra, participou da 3ª fase dos ensaios clínicos da primeira vacina registrada no mundo contra a COVID-19.

    Em cerca de 20 dias, Nicolás Maduro Guerra e os outros voluntários terão de levar a segunda dose da vacina, tal como está descrito em suas condições de uso. A partir daí, todos os participantes serão observados durante seis meses pelos médicos locais, que se manterão em contacto com o Centro Gamaleya, responsável pela criação da vacina Sputnik V.

    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)

    Mais:

    Oposição da Venezuela conclui 'consulta popular' para rejeitar Maduro
    Em detalhes: 3 vacinas russas anti-COVID-19 mais avançadas
    Partido de Maduro obtém 91% dos assentos da Assembleia Nacional da Venezuela
    Tags:
    Sputnik V, vacina, medicina, Rússia, Venezuela, Nicolás Ernesto Maduro Guerra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar