12:43 07 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)
    481
    Nos siga no

    Na sexta-feira (11), os Estados Unidos registraram 3.309 mortes causadas por COVID-19, o maior registro diário de óbitos no país desde o início da pandemia.

    Os dados são da Universidade Johns Hopkins, que compila informações globais sobre a pandemia. Essa foi a segunda vez que os EUA tiveram mais de três mil mortes em apenas um dia. Na quarta-feira (9), o país registrou 3.124 óbitos causados pela doença. O recorde anterior, ainda segundo a universidade, ocorreu em 15 de abril, quando foram registradas 2.607 mortes por COVID-19 nos EUA.

    Nas últimas semanas os EUA têm registrados picos sucessivos de mortes diárias em meio a uma segunda onda do novo coronavírus. A nova onda teve início ainda em outubro, com números que mostram descontrole do contágio no país. A sexta-feira (11) foi mais um dia de recorde de casos registrados nos EUA, com 231.775 casos. Até o final de outubro, o dia com o maior número de registros, o dia 30 daquele mês, teve 98.519 casos contabilizados.

    Em Purs, na Bélgica, um caminhão refrigerado deixa um fábrica da Pfizer, em 3 de dezembro de 2020
    © REUTERS / Yves Herman
    Em Purs, na Bélgica, um caminhão refrigerado deixa um fábrica da Pfizer, em 3 de dezembro de 2020

    Os EUA vivem agora a expectativa pelo início da vacinação contra a doença no país enquanto tentam controlar a pandemia. O governo espera começar a imunização já na semana que vem com a vacina desenvolvida pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech, já aprovada pela agência sanitária federal dos EUA, a FDA. O imunizante ainda precisa da aprovação do Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) do país. Além dos EUA, Reino Unido, Canadá, Bahrein e México já aprovaram o imunizante.

    Provável ganhador das eleições norte-americanas, Joe Biden, durante reunião em seu gabinete de transição, em Wilmington, Delaware, EUA, 1º de dezembro de 2020
    © REUTERS / Leah Millis
    Provável ganhador das eleições norte-americanas, Joe Biden, durante reunião em seu gabinete de transição, em Wilmington, Delaware, EUA, 1º de dezembro de 2020

    O democrata Joe Biden, apontado como presidente eleito pelos principais meios de comunicação dos EUA, promete concentrar os esforços de sua administração no controle rápido da doença. Biden chegou a afirmar que pretende imunizar 100 milhões de norte-americanos ainda durante seus 100 primeiros dias como presidente.

    Ainda segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, os EUA são o país mais impactado pela pandemia em números absolutos de casos e mortes. São 15.852.405 casos da doença e 295.546 mortes por COVID-19. O número de norte-americanos mortos na pandemia já supera o de óbitos do país durante a Segunda Guerra Mundial.

    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)

    Mais:

    Três ex-presidentes dos EUA querem dar exemplo e receber vacina contra COVID-19 em público
    EUA: Califórnia impõe novas medidas restritivas contra aumento da COVID-19
    Homem tenta assaltar banco nos EUA e, em vez de empunhar arma, ameaça infectar todos com COVID-19
    Tags:
    Food and Drugs Administration (FDA), Pfizer, Joe Biden, COVID-19, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar