01:32 07 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)
    536
    Nos siga no

    Quatro horas após o início da votação, oposição venezuelana diz que a taxa de participação nas eleições legislativas foi inferior a 3%.

    De acordo com informações publicadas pela agência de notícias Lusa, apenas 2,7% da população foi votar nas eleições neste domingo (6) para a Assembleia Nacional da Venezuela.

    Mais de 20,7 milhões de eleitores venezuelanos deveriam ir às urnas para eleger os novos deputados para a Assembleia Nacional, o único órgão que é dominado pela oposição à Nicolás Maduro desde 2015.

    Presidente da Venezuela Nicolás Maduro
    © Sputnik / Ruslan Krivobok
    Presidente da Venezuela Nicolás Maduro
    Membros da oposição venezuelana insistem na tese de que o pleito deste domingo (6) é uma fraude. De acordo com o Observatório Antifraude, um organismo criado em novembro de 2019 pelos deputados da oposição, "os relatos [nas ruas] são absolutamente de total solidão", disse o dirigente Andrés Velásquez.

    "Hoje na Venezuela não se realiza nenhuma eleição, mas sim uma fraude eleitoral", frisou Andrés Velásquez.

    Informações da Lusa indicam que vários centros eleitorais de Caracas registavam ao longo da manhã de hoje (6) uma fraca afluência de eleitores. Em zonas como Los Cedros, La Florida, Las Palmas e La Candelária viam-se algumas dezenas de pessoas verificando as listagens de eleitores nos centros eleitorais, principalmente cidadãos idosos, sendo notória a ausência de jovens.

    Segundo o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela, os venezuelanos vão eleger 277 deputados, mais 110 do que os eleitos nas legislativas de 6 de dezembro de 2015.

    O que diz o governo da Venezuela

    O governo de Nicolás Maduro rebate as acusações e sustenta que as eleições para o parlamento, que acontecem na presença de observadores internacionais, contam com mais 14 mil candidatos e candidatas em todo país.

    Segundo uma pesquisa realizada pela empresa venezuelana Hinterlaces, entre os dias 21 e 30 de novembro, cerca de 45% dos eleitores venezuelanos afirmaram que "definitivamente irão votar", enquanto outros 22% afirmam que "provavelmente o farão".

    "​Tenho orgulho de ser venezuelano, de ter uma Pátria livre e consciente. Te pergunto: é hora, chegou o dia de votar. Hoje é eleita uma nova Assembleia Nacional, hoje nasce uma nova Assembleia Nacional", disse o presidente Nicolás Maduro.

    Ainda de acordo com a pesquisa, 61% acreditam que é seguro votar, apesar da pandemia de COVID-19. Foram entrevistados 1200 venezuelanos, 85% de classes D e E e os outros 15%, da classe A e B.

    Entre aqueles que estão dispostos a comparecer às urnas, 64% se identificam como chavistas, 29% como imparciais e 7% opositores. Entre os chavistas, 91% afirmam que votariam pelo Grande Polo Patriótico, chapa liderada pelo Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

    Eu votei na Venezuela!! Pela paz, prosperidade e futuro do nosso povo! Numa união nacional, resgataremos o Poder Legislativo daqueles que o sequestraram para satisfazer os interesses de potências estrangeiras. Vamos ensinar ao mundo uma lição democrática!

    Nas eleições legislativas de 2015, houve uma participação histórica de 73% do eleitorado, enquanto em 2010 foram 65%. Para o processo eleitoral deste domingo (6), a Hinterlaces aponta uma abstenção de cerca de 55%, similar ao resultado das eleições presidenciais de 2018, que garantiram a reeleição de Maduro.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)

    Mais:

    Venezuela retoma exportação direta de petróleo para China apesar de sanções dos EUA, diz mídia
    Rússia enviará observadores às eleições parlamentares da Venezuela
    Representante dos EUA exorta a próxima administração Biden a manter pressão sobre Venezuela
    Tags:
    COVID-19, Nicolás Maduro, eleição, oposição, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar