18:03 25 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    629
    Nos siga no

    Os Estados Unidos impuseram sanções contra autoridades chinesas supostamente envolvidas em atividades coercitivas, anunciou nesta sexta-feira (4) o secretário de Estado Mike Pompeo em comunicado.

    Pompeo, no entanto, não citou quem são os sancionados na nota, na qual também acusa o Departamento de Trabalho da Frente Unida, um órgão do Comitê Central do Partido Comunista Chinês (PCCh), de coagir e intimidar "aqueles que se opõem às políticas de Pequim".

    "Hoje, estou exercendo minha autoridade [...] para impor restrições de visto a funcionários da República Popular da China e do Partido Comunista Chinês, e indivíduos que participam das ações do Departamento de Trabalho da Frente Unida, que se envolveram em uso ou ameaça de violência física, roubo e liberação de informações privadas, espionagem, sabotagem e interferência maliciosa em assuntos políticos domésticos, liberdade acadêmica, privacidade pessoal e atividade comercial", disse Pompeo.

    Hoje, eu anunciei restrições para a emissão de vistos a agentes do Departamento de Trabalho da Frente Unida que se envolveram em atividades maliciosas para aliciar e coagir os que se opõem às políticas de Pequim. Pedimos que a República Popular da China pare de usar a coerção como forma de suprimir a liberdade de expressão.

    "A Frente Unida frequentemente intimida membros da academia, empresas, grupos da sociedade civil e comunidades da diáspora chinesa, incluindo integrantes de comunidades de minorias étnicas e religiosas que se pronunciam contra os abusos horríveis dos direitos humanos que ocorrem em Xinjiang, Tibete e em outros lugares na China", acrescentou o secretário de Estado dos EUA.

    Além disso, Pompeo acusou a China de tentar "aliciar e coagir" pessoas nos Estados Unidos e em outros lugares para apoiar suas "narrativas autoritárias e preferências políticas" e pediu a Pequim "que acabe com o uso de táticas de coerção e intimidação para suprimir a liberdade de expressão".

    O secretário de Estado também disse que continuará a implementar restrições de visto para deixar claro que os responsáveis ​​por ações que violam a ordem internacional baseada em regras não são bem-vindos nos Estados Unidos.

    Mais:

    Pompeo: EUA e Brasil devem reduzir dependência de importações da China
    'Bravata ou hipocrisia': diz especialista sobre riscos que Pompeo vê no comércio Brasil-China
    China avisa que vai agir depois de Pompeo ter dito que Taiwan não faz parte da China
    Tags:
    sanções, Mike Pompeo, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar