12:54 21 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    165
    Nos siga no

    O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, disse nesta terça-feira (1º) que o Departamento de Justiça não encontrou evidências de fraudes generalizadas nas eleições de 3 de novembro. 

    Com 306 delegados no Colégio Eleitoral, o democrata Joe Biden foi o vencedor do pleito. O presidente dos EUA, Donald Trump, denunciou, sem apresentar provas até o momento, irregularidades na votação em diversos estados do país. O republicano terminou com 232 delegados. 

    Apesar das alegações da campanha de Trump, que vem entrando com processos na Justiça contestando a votação, Barr disse que não há evidências de ilegalidades que teriam modificado o resultado do processo. 

    "Até o momento, não vimos fraude em uma escala que pudesse ter provocado um resultado diferente na eleição", disse Barr em entrevista para a agência AP. 

    Barra é visto como aliado de Trump

    O procurador, que é considerado um aliado de Trump, explicou que um grupo de promotores e agentes do FBI têm trabalhado para verificar informações sobre supostas irregularidades nas eleições.

    Antes do pleito, Barr chegou a falar que o voto por correspondência, especialmente durante uma pandemia, com as pessoas temendo ir às zonas eleitorais, era suscetível a fraudes. 

    Até o momento, Donald Trump não reconheceu a vitória de Biden, embora tenha admitido o início de uma transição de poder. Os republicanos entraram com várias ações para barrar a certificação dos votos nos estados, como na Pensilvânia, onde o pedido da campanha para invalidar o voto pelo correio foi rejeitado. 

    "Houve uma afirmação de que haveria fraude sistêmica e de que as máquinas foram programadas essencialmente para distorcer os resultados das eleições. Os Departamentos de Segurança Interna e de Justiça investigaram isso e, até agora, não vimos nada que comprove isso", disse Barr.

    Mais:

    Falando sobre eleições nos EUA, presidente do México reitera princípio de não intervenção
    Scott Atlas renuncia como conselheiro especial de Trump sobre COVID-19
    De volta para o futuro: Joe Biden deve retomar política de pressão contra Coreia do Norte
    Tags:
    republicanos, Departamento de Justiça, FBI, eleições, EUA, William Barr, Joe Biden, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar