08:06 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3142
    Nos siga no

    Desde meados de novembro, um movimento de artistas chamado San Isidro vinha promovendo uma série de manifestações para exigir que o governo cubano libertasse Denis Solís, condenado a oito meses de prisão pelo crime de desacato.

    Na noite de domingo (29), o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, decidiu protestar nas redes sociais contra a interferência norte-americana na divulgação de notícias sobre os recentes acontecimentos em Havana envolvendo protestos de um grupo de artistas.

    ​A farsa de San Isidro. Não há invenção quando se fala em vínculos e contatos entre o movimento San Isidro e as autoridades americanas que cuidam deles e abastecem sua sede.

    Miguel Díaz-Canel Bermúdez chamou a participação dos EUA diante do caso de "manipulação midiática do chamado movimento San Isidro", o qual qualificou como "farsa", acrescentando que a ilha não admite "interferências, provocações ou manipulações".

    "Quem desenhou a farsa de San Isidro errou sobre o país, errou sobre a história e errou sobre as Forças Armadas", disse o presidente.

    Em outra publicação, também no domingo (29), ele condenou a participação do governo dos Estados Unidos.

    Aqueles que planejaram a farsa de San Isidro escolheram erroneamente o país, a história e a polícia. Não aceitamos intrusão, controle ou aborrecimento. Nosso povo tem moral e coragem para lutar por Cuba.

    O presidente destacou que nada poderá enfrentar a "desafiadora resistência cubana".

    Entenda o caso

    O conjunto de artistas chamado San Isidro é um grupo que promove manifestações contra o governo de Cuba. Sua lista de demandas inclui informações confiáveis sobre o paradeiro de Denis Solís, assim como liberdade de criação e expressão, o direito à dissidência e o fim da repressão e do assédio a artistas independentes. 

    Bandeiras nacionais de Cuba e EUA
    © AP Photo / Ramon Espinosa
    Bandeiras nacionais de Cuba e EUA
    Os manifestantes também questionam o polêmico decreto 349, que obriga artistas em Cuba a aderir a uma instituição estatal.

    Por outro lado, o governo cubano não apenas reconhece essas demandas, como recebe o grupo com relativa frequência no Ministério da Cultura, em Havana. Na última sexta-feira (27), 30 jovens artistas e intelectuais cubanos foram recebidos pelo vice-ministro de Cultura, Fernando Rojas. Este encontro durou cerca de cinco horas.

    Os membros do movimento San Isidro exigiam a libertação do rapper Denis Solís, detido em 9 de novembro e condenado a oito meses de prisão por desacato à autoridade. Eles saíram da reunião com a promessa de que Fernando Rojas vai examinar o caso.

    O governo de Cuba, porém, sugere que o caso envolvendo Solís faça parte de uma fabricação intencional. Cuba afirma que ele havia sido intimado oficialmente em uma ocasião anterior a comparecer à unidade da polícia a fim de esclarecer sua ligação com um grupo terrorista baseado em Miami.

    Solís decidiu não comparecer a essa primeira convocação das autoridades policiais. Ao receber uma intimação em casa, ele reagiu com violência, segundo a polícia cubana.

    Ao ser preso por desacato, ele gritou: "Trump 2020. Trump é meu presidente". Enquanto isso, segundo a polícia, ofendia e desafiava as autoridades cubanas.

    Carro descapotável norte-americano clássico passando ao lado da embaixada dos Estados Unidos em meio a bandeiras cubanas hasteadas na Tribuna Anti-Imperialista, um palco no passeio marítimo de Malecon, em Havana, Cuba, 26 de julho de 2015
    © AP Photo / Desmond Boylan
    Carro descapotável norte-americano clássico passando ao lado de bandeiras cubanas

    Retaliação cubana

    O governo cubano acusa o encarregado de negócios dos Estados Unidos em Cuba, Timothy Zúñiga-Brown, de ter visitado as instalações dos manifestantes de San Isidro várias vezes, além de se empenhar para transportar pessoas para Miami e apoiar aqueles que violavam as leis cubanas.

    Cuba sustenta que tal procedimento constitui "graves violações de suas funções como diplomata e chefe de missão, uma ingerência flagrante e desafiadora nos assuntos políticos internos de Cuba".

    Além disso, o governo cubano afirma estar "plenamente ciente do envolvimento do governo dos Estados Unidos no financiamento, orientação e incitação de grupos e indivíduos em Cuba a desafiar a autoridade do governo, tanto por meios pacíficos como violentos".

    Mais:

    Rússia, China e Cuba são eleitos para o Conselho de Direitos Humanos da ONU
    Rússia condena sanções a Cuba e Venezuela por impacto negativo no campo humanitário
    Cuba responsabiliza EUA por impedir remessas internacionais para a ilha
    Tags:
    Donald Trump, Donald Trump, EUA, interferência estrangeira, prisão, Miguel Diaz-Canel, Cuba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar