12:55 21 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    150
    Nos siga no

    Nova administração dos EUA provavelmente intentará voltar a participar do Tratado de Céus Abertos, declarou à Sputnik o analista político Boris Mezhuev.

    Ao anunciar a retirada, a Casa Branca se justificou dizendo que o Tratado de Céus Abertos foi violado pela Rússia. Por sua parte, o senador democrata Robert Menendez chamou esta decisão de "imprudente" e disse que ela deixou os EUA e seus aliados "menos protegidos contra a Rússia".

    Segundo o analista, quando Joe Biden chegar ao poder, ele intentará que o país regresse ao Tratado.

    "Parece-me que vai tentar fazê-lo. A decisão de se retirarem do tratado tem caráter político para a administração de saída, que não quer sair e que, aparentemente, tenta obter o apoio dos círculos mais agressivos, incluindo no Pentágono. No entanto, como vemos, isso encontrou resistência no Senado, sobretudo dos democratas, que argumentam que a retirada de Washington do acordo é uma decisão profundamente errada", contou o especialista.

    Ele adicionou que os aliados europeus dos EUA também fazem essa análise, em particular o Reino Unido.

    "Os britânicos acreditam que a retirada dos Estados Unidos do tratado enfraquece a segurança dos países europeus e dos próprios EUA. Se a Rússia fechar o céu, isso será em detrimento, em primeiro lugar, da Europa e dos próprios EUA. Acho que, apesar da decisão já ter sido tomada em Washington, o mais provável é que não seja aprovada pelo Senado e que a administração seguinte tentará desconsiderá-la", afirmou ele.

    Mais do que isso, o analista russo não descartou que, antes de sair, o atual presidente dos EUA Donald Trump tente tomar outras medidas para complicar as relações de Washington com a Rússia.

    "Existe a sensação que ele [Trump] tenha ficado ofendido com a Rússia por algum motivo, apesar de a Rússia ser, de fato, uma das poucas potências mundiais que ainda não parabenizou Biden por sua eleição. Provavelmente, ele tentaria denunciar mais alguns acordos, dos quais os EUA ainda não se retiraram, ou então impor sansões [...] É uma situação perigosa, e [...] seria melhor que a transição de poder nos EUA se realizasse o quanto antes, não só de jure, mas também de fato", concluiu o especialista.

    A participação dos EUA no Tratado de Céus Abertos terminou oficialmente neste domingo (22), seis meses após a administração de Trump anunciar a intenção de sair do acordo. Moscou indicou que procuraria salvar o Tratado de Céus Abertos, que também é integrado pelos aliados dos EUA na OTAN, Suécia, Finlândia, Bielorrússia, Ucrânia e vários outros países.

    Mais:

    Donald Trump confirma saída dos Estados Unidos do Tratado de Céus Abertos
    Aliados da OTAN apelam aos EUA para que não se retirem do Tratado de Céus Abertos, diz mídia
    Saída dos EUA do Tratado de Céus Abertos é um revés no controle nuclear, diz chanceler alemão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar