20:54 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 104
    Nos siga no

    Após emitir o comunicado errado mais cedo, a Geórgia finalmente certificou nesta sexta-feira (20) que Joe Biden venceu as eleições presidenciais dos EUA no estado.

    De acordo com o comunicado emitido pelo escritório do secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, Biden obteve 2,47 milhões de votos no estado, enquanto Donald Trump ficou com 2,46 milhões. Com isso, Biden lidera com uma margem de 12.670 votos, ou seja, 0,25%. Por sua vez, a candidata do Partido Libertário, Jo Jorgensen, conseguiu 62.138 votos.

    "Trabalhando como engenheiro ao longo da minha vida, vivo o lema de que os números não mentem", disse Raffensperger durante entrevista coletiva. "Como secretário de Estado, acredito que os números que apresentamos hoje (20) são corretos. Eles refletem o veredito do povo, não a decisão tomada pelo escritório do secretário de Estado, pelos tribunais, ou por qualquer uma das duas campanhas'', acrescentou.

    De acordo com a lei estadual, Raffensperger tinha a obrigação de certificar os resultados eleitorais até as 17h (19h em Brasília) desta sexta-feira (20). Agora, o governador Brian Kemp tem até as 17h (19h em Brasília) de amanhã (21) para certificar a chapa que levará os 16 votos do estado no colégio eleitoral.

    Segundo a agência AP, Kemp anunciou uma coletiva de imprensa para hoje (20) às 17h locais (19h em Brasília). O governador republicano ainda não deu as caras para defender a integridade das eleições deste ano, em meio aos ataques de Trump e de outros membros de seu próprio partido, que alegam que houve fraude na votação presidencial na Geórgia.

    Kemp não endossou as alegações de fraude de Trump nem apoiou Raffensperger em sua afirmação de que a eleição foi conduzida de forma justa.

    O governador da Geórgia, e o secretário de Estado, se recusam a nos dar permissão para verificar as assinaturas que exporiam centenas de milhares de votos ilegais, e dar ao Partido Republicano e a mim, David Perdue, e talvez Kelly Loeffler, uma GRANDE VITÓRIA...

    Mais cedo, o escritório de Raffensperger cometeu uma tremenda gafe ao divulgar o comunicado errado, anunciando prematuramente a certificação, enquanto esta ainda não tinha sido concluída. Segundo o New York Times, um funcionário enviou por engano o comunicado.

    "Tivemos um funcionário que enviou o comunicado errado à imprensa", disse Jordan Fuchs, vice-secretária de Estado da Geórgia.

    Com a confirmação do resultado, Biden se torna o primeiro candidato presidencial a vencer no estado desde 1992, na eleição do primeiro mandato de Bill Clinton.

    Agora que finalmente foram certificados os resultados, a campanha de Trump terá dois dias úteis para solicitar a recontagem, pois a diferença entre os dois candidatos está dentro da margem de 0,5%.

    Raffensperger, por sua vez, se autodenomina um "conservador apaixonado" e tem suportado críticas e insultos de outros republicanos - entre eles o próprio Donald Trump - por sua condução das eleições, e decidiu se abrir nesta sexta-feira (20).

    "Assim como outros republicanos, estou desapontado que o nosso candidato não ganhou as eleições na Geórgia. Eleições apertadas semeiam desconfiança. As pessoas sentem que seu lado foi enganado'', disse o secretário de Estado.

    Mais:

    'Eleitores mortos' participaram das eleições presidenciais nos EUA, diz apresentador norte-americano
    Trump: ações de inconstitucionalidade das eleições nos EUA 'não são nossas'
    Twitter identifica 300 mil postagens como 'enganosas' nas eleições dos EUA, diz CEO
    Tags:
    Donald Trump, Estados Unidos, Joe Biden, eleições nos EUA, votação, Geórgia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar