18:23 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    446
    Nos siga no

    O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos anunciou hoje (18) um novo pacote de sanções contra o Irã, direcionadas contra uma fundação controlada pelo líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, e outras entidades e autoridades do país persa.

    Faltando pouco mais de dois meses para o término do mandato de Donald Trump, as sanções anunciadas nesta quarta-feira (18) fazem parte de sua campanha de "máxima pressão" contra Teerã, e o secretário de Estado Mike Pompeo alertou que mais ações serão implementadas nos próximos meses e semanas.

    O Departamento do Tesouro impôs sanções contra o que descreveu como uma rede de patrocínio fundamental para o líder supremo, a Bonyad Mostazafan, ou Fundação dos Oprimidos, que é controlada por Khamenei, e outros dez indivíduos e 51 entidades associadas.

    A campanha de Máxima Pressão contra o regime iraniano continua a ser eficaz. Priva o regime de recursos para realizar suas atividades malignas. Reduzir essa pressão é uma escolha perigosa, destinada a enfraquecer novas parcerias regionais para a paz e a fortalecer o regime.

    Segundo o governo norte-americano, a fundação - uma instituição econômica, cultural, e de bem-estar social - acumulou grandes quantidades de riqueza, em detrimento do resto da economia iraniana, e controla centenas de empresas e propriedades confiscadas desde a Revolução Islâmica em 1979.

    "O líder supremo do Irã usa a Bonyad Mostazafan para recompensar seus aliados sob o pretexto de caridade", disse Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos EUA, em comunicado. "Os Estados Unidos continuarão a visar funcionários importantes e fontes de geração de receita que possibilitem a repressão contínua do regime contra seu próprio povo", acrescentou.

    Entre os sancionados estão os integrantes da mesa diretora da Bonyad Mostazafan, Amir-Mansour Borghei, Javad Ghana'at, Khosro Mokhtari, e Mohammad-Ali Yazdan Joo.

    Além disso, o Departamento do Tesouro impôs sanções contra o ministro de Inteligência e Segurança iraniano Mahmoud Alavi e dois membros do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã (IRGC, na sigla em inglês), o general-brigadeiro Heidar Abbaszadeh e o coronel Reza Papi, acusados de abusos dos direitos humanos contra a população iraniana durante os protestos de novembro de 2019.

    Um ano atrás, o regime do Irã massacrou 148 iranianos em Mahshahr. Hoje, designei Heidar Abbaszadeh e Reza Papi por seus papéis nas graves violações de direitos humanos cometidas pelas forças de segurança iranianas, bem como por outros agentes da opressão do regime. Jamais esqueceremos os seus crimes.

    Segundo o Ministério do Interior iraniano, cerca de 225 pessoas morreram durante os protestos, que começaram depois que a mídia estatal anunciou um aumento nos preços da gasolina, cujas receitas seriam utilizadas para ajudar as famílias mais necessitadas.

    Mais:

    Após saída de Trump Israel poderia lançar ataque preventivo contra Irã, diz general dos EUA
    NYT: Trump queria atacar Irã, mas desistiu da ideia após pressão de assessores
    Ataque dos EUA a Irã teria uma resposta 'esmagadora', diz porta-voz iraniano
    Tags:
    Steven Mnuchin, Aiatolá Ali Khamenei, Mike Pompeo, Irã, EUA, sanções
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar