20:19 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    6204
    Nos siga no

    Cerca de 2.600 cédulas de votação não contabilizadas teriam sido encontradas por autoridades da Geórgia durante o processo de recontagem dos votos da corrida presidencial norte-americana, afirma a imprensa dos Estados Unidos.

    A descoberta foi feita no condado de Floyd, área rural de tendência republicana. Segundo informações do Atlanta Journal-Constitution, entre as "novas" cédulas teriam sido computados 1.643 votos para o presidente Donald Trump e 865 votos para o democrata Joe Biden, declarado vencedor da disputa na Geórgia e também da eleição como um todo.

    Embora a descoberta não interfira nos resultados obtidos, os novos números reduziriam um pouco a diferença de votos entre os dois candidatos no estado, calculada em pouco mais de 14 mil. 

    ​Segundo o gerente do sistema de votação do estado, Gabriel Sterling, o erro teria ocorrido porque funcionários eleitorais do condado não carregaram os votos de um cartão de memória em uma máquina de leitura de cédulas, o que deveria levar a uma renúncia do diretor responsável pela localidade.

    "Não é um problema de equipamento. É uma pessoa que não está executando seu trabalho adequadamente", disse Sterling, citado pelo jornal. "Este é o tipo de situação que requer uma mudança no topo da administração."

    O incidente no condado de Floyd é o evento mais significativo até agora da recontagem realizada na Geórgia. As cédulas deverão ser verificadas novamente e tabuladas antes que os resultados sejam finalizados na próxima sexta-feira (20).

    Mais:

    Trump afirma que não aceita a derrota nas eleições, porque foram falsificadas
    Rede americana ABC confunde estado da Geórgia com o país homônimo e vira piada nas redes sociais
    Polícia usa gás lacrimogêneo em manifestantes em protesto contra resultado eleitoral na Geórgia
    Tags:
    Joe Biden, EUA, votos, recontagem, eleições, eleição, Donald Trump, Geórgia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar