20:37 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    6192
    Nos siga no

    O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, retornou hoje (9) a seu país ao cruzar a fronteira com a Argentina, após despedir-se do presidente argentino Alberto Fernández.

    Morales cruzou a pé a fronteira entre a cidade argentina de La Quiaca, na província de Jujuy, e a boliviana Villazón, e agradeceu ao presidente argentino.

    "Muito obrigado por me acompanhar Alberto, por garantir minha segurança, jamais me esquecerei que você salvou a minha vida", assinalou Morales antes de atravessar a passagem internacional Horacio Guzmán.

    ​A última refeição em La Quiaca, território argentino, foi memorável pelo afeto, mais uma vez, de Alberto Fernández e suas agradáveis ​​impressões sobre a posse de Luis Arce e as demonstrações de agradecimento que recebeu, em La Paz, por seu compromisso com a democracia e sua solidariedade. 

    Está previsto que Morales realize uma viagem de mais de 1.000 quilômetros por terra em uma caravana que partirá da fronteira com a Argentina e passará por diversas localidades onde o ex-chefe de Estado ainda é muito popular. 

    "Não tinha dúvidas de que voltaria, mas não pensava que seria tão rápido, graças à união do povo boliviano e à solidariedade do povo argentino", disse Morales.

    Feito histórico. O abraço de Alberto Fernández e Evo Morales na ponte internacional de La Quiaca, em Jujuy. O retorno do ex-presidente boliviano.

    Ontem (8), o presidente eleito Luis Arce tomou posse do cargo na Bolívia, um ano depois que as Forças Armadas do país andino pediram publicamente a renúncia do então presidente Evo Morales.

    Mais:

    Evo Morales viaja de Argentina para Venezuela após vitória de aliado na Bolívia
    Porta-voz do MAS denuncia ataque com dinamite contra presidente eleito da Bolívia
    Bolívia: Jeanine Áñez fracassa em sua longa luta inglória contra o MAS
    Tags:
    Alberto Fernández, exílio de Evo Morales, Evo Morales, Argentina, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar