01:22 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7281
    Nos siga no

    O democrata Joe Biden conseguiu o número de delegados suficientes para derrotar o republicano Donald Trump nas eleições nos Estados Unidos, confirmando o favoritismo da campanha eleitoral. A data marcada para a posse do novo presidente dos EUA é em 20 de janeiro de 2021.

    A chapa democrata de Joe Biden e Kamala Harris conseguiu a vitória virtual nas eleições presidenciais dos EUA alcançando 284 delegados, ultrapassando os 270 necessários para ser considerada vitoriosa. No total, cerca de 74,8 milhões de eleitores escolheram a chapa do ex-vice-presidente nas urnas, um recorde, confirmando o favoritismo apontado pelas pesquisas de intenção de voto. As eleições nos EUA têm um sistema indireto, com 538 delegados em disputa no colégio eleitoral.

    Já o candidato à reeleição, Donald Trump, que concorreu novamente ao lado do vice-presidente Mike Pence, alcançou 214 delegados, sendo a escolha de cerca de 70,5 milhões de eleitores norte-americanos, o que já o torna o segundo candidato mais votado da história do país. Se o resultado for confirmado, será a primeira vez desde 1993, quando o ex-presidente republicano, George H. W. Bush, perdeu as eleições para o democrata Bill Clinton, que um presidente norte-americano não é reeleito.

    Candidato democrata e ex-vice-presidente Joe Biden fala para apoiadores durante apuração das eleições
    © AP Photo / Paul Sancya
    Biden comemora apurações das eleições 2020

    Apesar de Biden ter atingido o número de delegados necessários, a apuração ainda segue em andamento. O resultado também não é definitivo. Donald Trump, mesmo sem evidências, tem apontado irregularidades no processo de contagem de votos e entrou com uma série de ações judiciais para recontagem das cédulas em determinados estados, além de ter tentado impedir a apuração. Trump promete levar o caso à Suprema Corte e afirma que a apuração é fraudulenta. O presidente dos EUA chegou a declarar mais de uma vez que venceu o pleito e que seus adversários democratas tentam "roubar" as eleições.

    A corrida eleitoral dos EUA de 2020 é marcada pela polarização política que cresce no país desde 2016, quando Trump surpreendeu o mundo e venceu a então candidata democrata, a ex-secretária de Estado, Hillary Clinton - franca favorita a vencer as eleições à época.

    Candidato à presidência dos EUA pelo Partido Democrata, Joe Biden, durante comício em Atlanta, Geórgia, 27 de outubro de 2020
    © REUTERS / Brian Snyder
    Candidato à presidência dos EUA pelo Partido Democrata, Joe Biden, durante comício em Atlanta, Geórgia, 27 de outubro de 2020

    Na campanha de 2020, a pandemia da COVID-19, que impactou principalmente os EUA em números absolutos, foi o principal tema dos debates, levantando críticas à gestão republicana ao longo da corrida eleitoral. Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, os EUA acumulam mais de 9,7 milhões de casos confirmados do novo coronavírus e cerca de 232 mil mortes causadas pela doença.

    A violência policial e o debate sobre o racismo institucional nos EUA também foram temas importantes ao longo da campanha, impulsionados pelos protestos de massa contra o assassinato de George Floyd, em maio deste ano, que se espalharam por todo o país e também para além das fronteiras norte-americanas.

    Biden pode retornar à Casa Branca em meio à pandemia e crise econômica

    Favorito nas eleições em praticamente toda a campanha, Biden foi escolhido oficialmente nas primárias como candidato democrata em junho e anunciado oficialmente em agosto, deixando para trás seu principal adversário, o senador Bernie Sanders. Nas prévias do partido, ele disputou também com sua futura companheira de chapa, a também senadora Kamala Harris, que foi integrada à campanha de Biden em agosto.

    Obama e Joe Biden
    © AP Photo / Jacquelyn Martin
    Obama e Joe Biden

    Joe Biden foi senador pelo estado de Delaware, nos EUA, por 36 anos, vencendo sete eleições consecutivas entre 1972 e 2008, quando se tornou vice-presidente na chapa do ex-presidente Barack Obama por dois mandatos consecutivos. Foi pela passagem pela Casa Branca ao lado de Obama que o agora presidente eleito ganhou o apoio necessário para liderar a chapa democrata este ano.

    Com a possível vitória nas urnas contra Trump, Biden, aos 77 anos, tem pela frente desafios como vencer a pandemia da COVID-19 e reerguer a economia dos EUA, garantindo empregos aos norte-americanos após um ano de forte crise econômica mundial. Biden também terá pela frente expectativas na política internacional, como a crescente rivalidade com a China e a relação com parceiros internacionais dos EUA.

    Mais:

    Documentos 'incriminatórios' ligados à família Biden desaparecem misteriosamente, declara Fox News
    Em comício ao lado de Obama, Biden faz último apelo ao voto dos afro-americanos antes da eleição
    A 3 dias das eleições, Joe Biden tem vantagem sobre Donald Trump em 4 estados-chave
    Tags:
    COVID-19, Mike Pence, Kamala Harris, Hillary Clinton, Donald Trump, Joe Biden
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar