18:40 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1181
    Nos siga no

    Em entrevista exclusiva à Sputnik, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse que não pretende buscar novos empréstimos do FMI e quer Bolívia como membro pleno do Mercosul.

    Enquanto o Mercosul tem como seus membros plenos Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, o presidente argentino espera que o bloco se amplie.

    Concedendo entrevista à Sputnik, Fernández disse sobre a possível entrada da Bolívia como membro pleno do Mercosul:

    "Seria formidável [...] Se Bolívia se soma como sócio pleno do Mercosul, seria um grande avanço."

    Da mesma forma, o mandatário também apontou ser favorável à recriação da Unasul, bloco criado ainda em 2008 com vistas a fortalecer as relações culturais, políticas, comerciais e sociais entre os doze países da América do Sul e que foi abandonado por diversos países desde 2018.

    "Eu gostaria que pudéssemos recriar o que foi a Unasul, foi muito importante e resolveu problemas importantes na região. É o tempo que nos toca e é o desafio que temos. Não pensar em uma América Latina integrada seria um erro gravíssimo. Temos que pô-lo como desafio e tratar de cumpri-lo", declarou.

    Apesar das diferenças ideológicas entre as lideranças sul-americanas, Fernández destacou que mesmo assim estas têm certo nível de colaboração.

    "Nela [Unasul] estavam Piñera [referência ao presidente do Chile] convivendo com todos, ou [Juan Manuel] Santos e [Álvaro] Uribe na Colômbia, convivendo com países que não pensavam igual", explicou.

    FMI

    Enquanto a Argentina negocia com o FMI o pagamento de US$ 4 bilhões (cerca de R$ 23 bilhões) de empréstimos realizados nos anos de 2018 e 2019, durante o governo do ex-presidente Mauricio Macri, Fernández afirmou sobre a possibilidade de obter novos empréstimos que "não planejamos isso".

    Ao mesmo passo, ele alegou ter recebido de Macri um país sem reservas em dólares e em situação econômica precária.

    Enquanto isso, o presidente disse que em seu mandato terá "um trabalho muito duro para colocar a economia em ordem, tem que a tranquilizar e a arrumar, e isso supõe recuperar a ordem fiscal tão rápido quanto pudermos".

    Para contornar os problemas econômicos, o presidente sustenta que a prioridade de seu governo é recuperar a confiança dos investidores.

    "Argentina tem que recuperar a confiança porque em dezembro estávamos em default [cesse de pagamentos], estávamos com a Argentina aos avessos, e em dois anos se deu um nível de endividamento feroz que impedia ao país pensar em crescer e pensar em conseguir investidores", disse.

    Em agosto passado, o governo teria começado a sair do problema via acordo para reestruturar a dívida pública.

    "O acordo com os credores privados nos permite que em dez anos deixemos de pagar US$ 38 bilhões [aproximadamente R$ 219 bilhões]: essa é a economia que teve a Argentina nessa negociação, e que de agora até 2024 praticamente não teremos que pagar nada de juros", acrescentou.

    Mais:

    Argentina comprará 25 milhões de doses da vacina russa Sputnik V
    Argentina recebe carta com queixas do Reino Unido sobre sua política para Malvinas, dizem fontes
    Após abertura da fronteira, Argentina aposta no turismo de brasileiros para alavancar a economia
    Tags:
    crise, dívida pública, FMI, Mercosul, Bolívia, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar