20:51 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3126
    Nos siga no

    O Senado dos EUA aprovou nesta segunda-feira (26) a juíza Amy Coney Barrett para substituir na Suprema Corte a progressista Ruth Bader Ginsburg, que faleceu em setembro.

    A aprovação do Senado dos EUA, que tem maioria republicana, foi por uma votação de 52 a 48. A conservadora Amy Coney Barrett foi indicada pelo presidente norte-americano Donald Trump

    Todos os democratas do Senado dos EUA votaram contra a aprovação de Barrett, enquanto do lado republicano apenas a senadora Susan Collins teve voto contrário à nomeação. 

    A juíza Amy Coney Barrett, indicada à Suprema Corte, após terceiro dia de sua audiência de confirmação perante o Comitê Judiciário do Senado no Capitólio, em 14 de outubro de 2020 em Washington.
    © REUTERS / Andrew Caballero-Reynolds
    A juíza Amy Coney Barrett, indicada à Suprema Corte, após terceiro dia de sua audiência de confirmação perante o Comitê Judiciário do Senado no Capitólio, em 14 de outubro de 2020 em Washington

    A nomeação de Barrett foi fortemente contestada pelos democratas, que queriam que a escolha para assumir o cargo de Ruth Bader Ginsburg, morta em setembro, acontecesse depois das eleições presidenciais, que serão realizadas em 3 de novembro.

    O candidato democrata nas eleições norte-americanas, Joe Biden, havia declarado que nomear um novo juiz para a Suprema Corte agora seria "abuso de poder".

    Com a nomeação de Amy Coney Barrett, a Suprema Corte terá seis juízes de perfil conservador contra três juízes progressistas. 

    Mais:

    Morre Ruth Bader Ginsburg, juíza mais antiga da Suprema Corte dos EUA, aos 87 anos
    Debate nos EUA: Biden diz que Rússia e Irã pagarão por 'interferência' em eleições americanas
    Trump diz que escolherá novo nome para Suprema Corte até sábado
    Donald Trump anuncia Amy Barrett para Suprema Corte dos EUA
    Tags:
    Senado dos EUA, juízes, juíza, Senado, Donald Trump, eleições, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar