20:54 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    18321
    Nos siga no

    Em entrevista à Sputnik, Luis Arce afirmou que o presidente norte-americano, Donald Trump, vê a Bolívia, como toda a América Latina, como um quintal.

    Na última sexta-feira (23), o Supremo Tribunal Eleitoral da Bolívia proclamou, oficialmente, Luis Arce como novo presidente do país, para o quinquênio 2020-2025.

    Para Arce, "existe uma grande diferença" entre os dois candidatos à presidência dos Estados Unidos. Enquanto, para Trump, a Bolívia e a América Latina representam "um simples quintal", Joe Biden pode, talvez, representar a "oportunidade de conversar e abrir alguns espaços para melhorar [nossas] relações e economia".

    É, assim, compreensível que as relações entre Bolívia e Estados Unidos vão depender do posicionamento de Washington, e logo do presidente que for eleito.

    "Se eles querem nos respeitar como país, respeitam nossa soberania e falamos de igual para igual, não há problema", disse o novo presidente boliviano em entrevista à Sputnik.

    O retorno de Evo Morales

    Em relação ao ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, Arce disse que o primeiro faria bem em retornar a seu país, para se defender em julgamento.

    "Se o camarada Evo quiser, ele retornará à Bolívia e se defenderá de todos aqueles processos que estão sendo movidos contra ele, pois estão quebrando muitas regras", disse. Porém, os processos abertos contra Morales "têm que continuar, porque se trata de uma iniciativa do órgão judicial". De igual modo, algumas investigações judiciais também "já começaram" contra os membros do governo interino.

    Evo Morales, ex-presidente da Bolívia.
    © AP Photo / Natacha Pisarenko
    Evo Morales, ex-presidente da Bolívia.

    Não obstante, tendo ocupado o cargo de ministro da Economia do governo de Morales por mais de uma década, Arce acredita que "seria bom que ele voltasse" para a Bolívia.

    Produção de coca

    O novo governo boliviano quer industrializar a produção de coca, revelou Arce.

    "Queremos industrializar a folha de coca, não só vamos continuar produzindo, mas vamos industrializá-la", de modo a criar, mais concretamente, "uma pasta de dentes".

    O político explica que "existem 14 alcaloides na folha da coca, um dos quais é um acessório excelente contra a cárie dentária, [e] por isso quem masca coca não tem cárie". Deste modo, o governo está determinado a começar a exportar o seu produto.

    Eleição de magistrados na Bolívia

    Apesar dos magistrados da Justiça serem eleitos por voto popular, Arce lamenta o povo não ter elegido "os melhores homens e mulheres para administrar a Justiça". Assim, o presidente eleito prevê que a escolha destes terá de voltar a ser baseada na meritocracia, em vez do voto popular.

    Contudo, esta escolha deverá ser baseada em "uma meritocracia que tenha certo apoio científico e técnico através de universidades e institutos, inclusive do exterior, para que possam avaliar as pessoas que concorrem a magistrados", ponderou Arce. Logo, aqueles que "passem por um filtro muito mais exigente, mais acadêmico [e] mais técnico" deverão ser escolhidos para os cargos em questão.

    Entre outras coisas que necessitam correção, o presidente socialista mencionou que há também várias mudanças a fazer no SUS boliviano, de modo a conferir melhores serviços de atendimento à população.

    Mais:

    Rússia classifica eleições na Bolívia de pacíficas e democráticas
    Rival do socialista Luis Arce reconhece derrota nas eleições da Bolívia
    Eleição na Bolívia: candidato socialista Luis Arce vence o pleito, segundo boca de urna
    Tags:
    relações diplomáticas, América Latina, EUA, Bolívia, Evo Morales, Luis Arce
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar