04:48 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 60
    Nos siga no

    O pedido do governo dos EUA para colocar a aplicação chinesa, WeChat, na lista negra das lojas de aplicativos foi negado por uma juíza federal com o argumento de que a proibição violaria os direitos de expressão dos usuários.

    A juíza Laurel Beeler rejeitou a nova tentativa do Departamento de Justiça de proibir o aplicativo em uma decisão na sexta-feira (23), mantendo sua decisão anterior com base no fato de que a proibição "não é estritamente adaptada para atender ao interesse significativo do governo em segurança nacional" e não sobrevive ao "escrutínio sob a Primeira Emenda".

    Embora o Departamento de Justiça tenha argumentado que a medida seria "neutra em termos de conteúdo" e respeitaria os direitos de expressão dos usuários do WeChat, Beeler concluiu que as restrições "sobrecarregam substancialmente mais a expressão do que o necessário para promover os interesses legítimos do governo", não deixando "plataformas ou aplicativos alternativos viáveis para a comunidade de língua chinesa e sino-americana".

    Em agosto, duas ordens executivas foram assinadas pelo presidente Donald Trump, designando as aplicações chinesas WeChat e TikTok como ameaças à segurança nacional dos EUA, acusando Pequim de usar os programas para vigilância e roubo de dados. O presidente instruiu o Departamento de Comércio a proibir todas as transações nos EUA com os proprietários chineses dos aplicativos – Tencent e ByteDance – incluindo sua remoção das lojas de aplicativos dos EUA.

    A primeira decisão de Beeler sobre a tentativa de banir as apps em questão foi proferida no mês passado após uma contestação legal da WeChat Users Alliance, que argumentou que barrar o aplicativo seria uma "grave violação dos direitos constitucionais dos usuários do WeChat nos EUA". A juíza concordou em suspender temporariamente a proibição, dizendo que o processo levantava sérias preocupações da Primeira Emenda, levando o Departamento de Justiça a apresentar novos argumentos, por sua vez ouvidos e rejeitados na sexta-feira (23).

    Contudo, embora o tribunal tenha ficado do lado da empresa-mãe da TikTok, ByteDance, a decisão não conseguiu bloquear totalmente as restrições, que devem entrar em vigor em 12 de novembro.

    Mais:

    Xi Jinping promete 'golpe esmagador' a qualquer potência que tentar dividir a China
    Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas
    De mania jovem a arma geopolítica: como TikTok impacta as relações entre EUA e China?
    Tags:
    guerra comercial, Departamento de Justiça, Estados Unidos, China, WeChat
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar