02:06 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    9270
    Nos siga no

    Em entrevista à Sputnik, socióloga afirma que a Organização dos Estados Americanos (OEA) "politizou" sua missão eleitoral. Segundo a especialista, o órgão precisará fazer uma revisão interna para recuperar a credibilidade perdida.

    As eleições bolivianas de 18 de outubro não significaram apenas o retorno do Movimento ao Socialismo (MAS) ao poder, mas também reforçaram os questionamentos feitos à missão eleitoral da OEA, que em 2019 havia denunciado supostas "irregularidades", acendendo a faísca de violência que acabou derrubando o então presidente Evo Morales.

    Em seu relatório final sobre as eleições de 2019, observadores da OEA questionaram os resultados em 86% da votação, uma vez que consideraram o apoio, de 91% ao MAS em algumas regiões, como um comportamento "incomum". Esse comportamento "incomum" expandiu definitivamente a vantagem de Morales sobre Carlos Mesa no sistema de Transmissão de Resultados Preliminares (TREP).

    Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, coloca máscara protetora após coletiva de imprensa em Buenos Aires, Argentina, 19 de outubro de 2020
    © REUTERS / Agustin Marcarian
    Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, coloca máscara protetora após coletiva de imprensa em Buenos Aires, Argentina, 19 de outubro de 2020

    Agora nas eleições de 18 de outubro de 2020, o Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica (Celag) decidiu testar a validade do relatório da OEA de 2019, comparando os resultados deste ano com os do ano passado. O resultado mostrou que, longe de diminuir, o apoio ao MAS naquelas mesmas regiões passou de 91% para 97%, em média.

    A socióloga argentina Gisela Brito, coordenadora de Opinião Pública do Celag, explicou à Sputnik Mundo que a pesquisa indicou que o MAS obteve "em média cinco ou seis pontos a mais" do que obteve em 2019 nesses circuitos, resultado que condiz com a votação do MAS em nível nacional, que também passou de 47% em 2019 para cerca de 54% em 2020.

    Brito ressaltou que a quantidade de votos que o MAS recebe nesses lugares não é "incomum", como disse a OEA, pois corresponde a áreas rurais e comunidades indígenas "que desde 2005 (quando Evo Morales chegou pela primeira vez ao Governo) têm um comportamento de apoio majoritário ao MAS, com valores de 80% e 90%".

    Para a especialista, a análise confirma que em 2019 "o que a OEA fez foi politizar uma missão eleitoral que deve ter um caráter técnico". Nesse sentido, argumentou que os observadores eleitorais do órgão regional agiram com "intencionalidade" porque queriam "erodir e deslegitimar uma eleição que tinha uma margem muito estreita", garante Brito.

    Ao afastar-se de sua natureza técnica, a OEA acabou "questionando o comportamento político dos eleitores […] A OEA não tem o poder de questionar como os cidadãos votam, ela só tem que garantir que as eleições sejam realizadas de maneira justa", sublinhou a socióloga.

    OEA sem credibilidade

    Assim como a missão eleitoral de 2019 teve graves consequências para o sistema político boliviano, as conclusões que podem ser tiradas de sua atuação após as novas eleições de 2020 podem marcar um antes e um depois para o órgão, alertou Brito.

    "A principal consequência é que a OEA se deslegitima como instituição na realização de missões eleitorais em outros países", vaticina a especialista.

    Brito destacou que a OEA atuou na Bolívia sem "imparcialidade e rigor técnico", dois requisitos que considera necessários para este tipo de intervenção nos processos eleitorais, e cuja ausência pode abrir um precedente que colocaria dúvidas em uma futura participação.

    Luis Almagro, secretario general de la OEA
    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Luis Almagro, secretario general de la OEA

    Para a especialista, a demissão do secretário-geral da OEA, Luis Almagro, que foi reeleito para o cargo em março passado, seria uma forma de recuperar a credibilidade da organização, pois seria também "uma autocrítica e uma auditoria interna sobre aquela missão eleitoral, o que é perfeitamente possível".

    "É essencial que o comportamento dessa missão seja revisto como forma de legitimar e construir confiança, porque as missões eleitorais são construídas com confiança e responsabilidade", concluiu Brito.

    Mais:

    'Séria ameaça': comissão da OEA pede que governo Bolsonaro proteja índios da COVID-19
    Ex-agentes das forças de segurança comentam relatório da OEA sobre violência policial no Brasil
    Secretário-geral da OEA 'pagará por todos os danos' à América Latina, declara Delcy Rodríguez
    Rússia classifica eleições na Bolívia de pacíficas e democráticas
    Tags:
    Carlos Mesa, Evo Morales, Bolívia, Organização dos Estados Americanos (OEA)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar