21:47 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3519
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (20), o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, disse que o reposicionamento das tropas norte-americanas na Europa em direção às fronteiras da Rússia tem "natureza estratégica".

    Na declaração feita durante fala no think tank Atlantic Council, Esper não descartou que essa movimentação possa envolver, para além da Polônia, também os Estados bálticos.

    "Estamos procurando nos reposicionar na Europa. Por quê? Porque conhecemos os desafios enfrentados por nossos aliados em relação à Rússia. É senso comum. Você não precisa ser um Napoleão [...] para olhar o mapa e perceber que quanto mais a leste você estiver, mais segurança você pode dar a esses aliados e parceiros nas linhas de frente, sejam [...] os Estados bálticos, a Polônia [...] ou a Bulgária e a Romênia", declarou Esper em conversa com o Atlantic Council.

    Recentemente, o Pentágono anunciou planos para reduzir sua presença militar na Alemanha e realocar mil soldados em direção à Polônia.

    "Mas também precisamos olhar para a região do Báltico e do mar Negro [...]. Precisamos nos mover um pouco mais para o leste. Isso nos ajuda com o desafio de tempo e distância, se quiser, caso haja algum tipo de ação realmente agressiva dos russos", acrescentou o secretário norte-americano.
    Tropas norte-americanas passam através Alemanha para Leste Europeu
    © AP Photo / Ingo Wagner
    Tropas norte-americanas passam através Alemanha para Leste Europeu

    De acordo com Esper, esse reposicionamento permitirá aos EUA tranquilizar aliados, deter a Rússia e fortalecer a OTAN. As tropas estarão presentes na região de forma rotativa, o que, acredita o Pentágono, não viola compromissos da OTAN com a Rússia.

    Mais:

    Alemanha oferece acordo bilionário aos EUA para retirarem sanções do Nord Stream 2, diz mídia
    Por que Alemanha escolhe Huawei apesar da pressão dos EUA?
    Alemanha cede à pressão dos EUA e limita a tecnologia 5G da Huawei no país
    Tags:
    OTAN, EUA, Rússia, Bulgária, Romênia, Polônia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar