15:27 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    171
    Nos siga no

    Senadores republicanos afirmaram nesta quinta-feira (15) que vão intimar os CEO's do Twitter e do Facebook para testemunhar diante do Congresso dos EUA após denúncias de que as plataformas de mídia social têm censurado reportagens críticas aos democratas

    A polêmica envolvendo redes sociais e as eleições nos EUA está de volta. Os líderes do Comitê Judiciário do Senado anunciaram que a votação para decidir se haverá uma intimação acontece na terça-feira (20).

    O senador norte-americano Josh Hawley solicitou formalmente o CEO do Twitter, Jack Dorsey, e o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, para comparecer perante o Subcomitê Judiciário do Senado sobre Crime e Terrorismo em uma próxima audiência intitulada "Plataformas digitais e interferência eleitoral".

    O objetivo do comitê é que o CEO do Twitter, Jack Dorsey, e o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, testemunhem perante o congresso já na sexta-feira (23).

    O caso

    Nesta quinta-feira (15), Facebook e Twitter admitiram ter limitado o alcance de uma reportagem postada pelo New York Post contra Joe Biden, candidato dos Democratas à presidência dos EUA.

    A publicação, feita na quarta-feira (14), apresenta supostos detalhes de uma negociação entre filho de Biden, Hunter, e uma empresa de energia ucraniana.

    Segundo o jornal, há um e-mail que indica que Hunter Biden apresentou o pai, na época vice-presidente dos EUA, a um empresário ucraniano.

    O que diz o Facebook

    Em comunicado divulgado nesta quinta-feira (15), o Facebook admitiu ter restringido a frequência em que a reportagem aparecia no feed de notícias de seus usuários. A rede social alegou que a checagem do conteúdo ainda está pendente.

    "Isso faz parte do nosso processo padrão para reduzir a disseminação de desinformação", disse Andy Stone, porta-voz da empresa.

    O que diz o Twitter

    O Twitter também divulgou comunicado nesta quinta-feira (15) e confirmou que censurou a reportagem sobre o filho de Biden. De acordo com a empresa, a decisão é baseada em sua política sobre uso de material hackeado.

    "As imagens contidas nos artigos incluem informações pessoais e privadas —como endereços de e-mail e números de telefone— que violam nossas regras", afirmou o Twitter.

    Projeto das Fake News

    No Brasil, circula no Congresso Nacional desde meados de julho o chamado Projeto de Lei das Fake News, cujo objetivo é combater a disseminação de notícias falsas.

    No dia 3 de agosto, a Sputnik Brasil ouviu o professor de Direito Constitucional Julio Hidalgo, que comentou o assunto e afirmou apoiar a adoção de medidas contra as chamadas fake news.

    Mais:

    TSE celebra parceria com Twitter e TikTok para combater fake news
    Facebook é acusado de espionar usuários do Instagram através das câmeras dos celulares
    Facebook proibirá anúncios que desmotivem as pessoas a se vacinar
    Bolsonaristas arrependidos dão novo sobrenome a Jair Bolsonaro e ganham topo do Twitter
    Tags:
    Mark Zuckenberg, depoimento, Congresso, censura, Facebook, Twitter
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar