09:07 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo enfrenta COVID-19 em meados de outubro (78)
    225
    Nos siga no

    Funcionários do Fundo Monetário Internacional (FMI) planejam retornar à Argentina em novembro para iniciar negociações sobre um novo pacote de resgate para o país sul-americano, altamente endividado.

    O FMI anunciou as negociações após reuniões "produtivas" ocorridas entre os dias 6 e 11 de outubro, em Buenos Aires, segundo comunicado oficial publicado pela instituição nesta segunda-feira (12). A vice-diretora do Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI, Julie Kozack, e Luis Cubeddu, chefe da missão do FMI na Argentina, chefiaram a delegação da organização durante conversas com autoridades argentinas nos últimos dias.

    "O corpo técnico obteve uma compreensão mais profunda dos planos de política das autoridades para estabilizar a economia e colocá-la em um caminho de crescimento mais sustentável e inclusivo", disseram Kozack e Cubeddu através do comunicado.
    Manifestante pede o fim da quarentena na Argentina imposta em função do coronavírus
    © AP Photo / Natacha Pisarenko
    Manifestante pede o fim da quarentena na Argentina imposta em função do coronavírus

    De acordo com as duas autoridades do FMI, funcionários da organização retornarão ao país sul-americano em novembro para iniciar as negociações sobre um novo pacote de resgate, enquanto a Argentina luta para cumprir os pagamentos de um empréstimo de US$ 44 bilhões (cerca de R$ 243 bilhões) do FMI.

    "O corpo técnico do FMI continuará a se relacionar estreitamente com as autoridades [argentinas]. O corpo técnico planeja retornar a Buenos Aires em meados de novembro para iniciar as discussões sobre um novo programa apoiado pelo FMI", diz o comunicado.

    As autoridades argentinas concordaram em agosto deste ano com um acordo de reestruturação com credores privados de US$ 65 bilhões (cerca de R$ 359 bilhões) em dívida soberana, o que permitiu ao país sair formalmente de seu nono default - o que ocorre quando países não conseguem pagar suas dívidas.

    A Argentina, como boa parte do mundo, vive hoje uma crise econômica e convive com o crescimento da pobreza. A expectativa do Banco Central argentino é de que o PIB do país caia 11,8% em 2020 devido ao impacto econômico da pandemia da COVID-19.

    Tema:
    Mundo enfrenta COVID-19 em meados de outubro (78)

    Mais:

    Governo argentino torna compra de dólares mais complicada ao introduzir novas regras
    Pandemia agrava quadro social na Argentina e pobreza afeta 40,9% da população
    Argentina se torna o 6º país em número de contágios de COVID-19 no mundo
    COVID-19 'se espalhou com enorme ferocidade' no interior da Argentina, diz Alberto Fernández
    Tags:
    COVID-19, FMI, Argentina, Alberto Fernández
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar