22:00 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    141
    Nos siga no

    Ladrões roubaram um jato executivo de um aeroporto no centro do México, voaram para a Venezuela, aparentemente o carregaram com drogas e, em seguida, bateram o avião na Guatemala.

    O gabinete do Procurador-geral da Guatemala disse que quatro pessoas morreram quando o jato BAE 125 caiu e pegou fogo nesta quinta-feira (24), informa a agência de notícias Associated Press.

    Os mortos não puderam ser identificados imediatamente porque foram gravemente queimados, mas drogas e armas foram encontradas nos destroços.

    A bizarra viagem ilícita de ida e volta começou na terça-feira (22) na cidade de Cuernavaca, ao sul da Cidade do México. O avião havia chegado lá em 10 de agosto e estava estacionado em um hangar particular.

    A Agência de Aviação Civil do México disse que três pessoas pediram permissão para abastecer o jato, supostamente para realizar verificações de manutenção no avião. Então, sem permissão, taxiaram até uma pista e decolaram, sem preencher nenhum plano de voo.

    As autoridades rastrearam o avião enquanto ele voava para o sul.

    O Exército guatemalteco disse que o avião fez uma escala na Venezuela antes de entrar na Guatemala, que faz fronteira com o México. A aeronave caiu por razões desconhecidas.

    As drogas encontradas no avião poderiam já estar na aeronave desde que ela estava estacionada no México, mas haveria poucos motivos para levar as drogas para a Venezuela, que é um importante centro de trânsito da cocaína na América do Sul, e depois voltar. 

    Mais:

    Autoridades peruanas detêm submarino com 2 toneladas de cocaína vindo do Equador (FOTO)
    Após apreensão de US$ 1 bilhão em cocaína, 4 pessoas são presas no Uruguai
    Militar da comitiva de Bolsonaro que levava 39 quilos de cocaína confessa crime
    Sargento preso com 37 kg de cocaína em comitiva de Bolsonaro ainda recebe salário da FAB, diz site
    Tags:
    Venezuela, México, Guatemala, acidente, avião, roubo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar