09:03 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    535
    Nos siga no

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, alertou nesta quarta-feira (23) os políticos estadunidenses em nível estadual e local para ficarem vigilantes com os diplomatas chineses que, segundo ele, poderiam estar tentando cortejá-los como parte da campanha de propaganda e espionagem de Pequim.

    Falando na capital do estado de Wisconsin, Pompeo disse que o Departamento de Estado estava revisando as atividades da Associação de Amizade EUA-China e do Conselho Chinês para a Promoção da Reunificação Pacífica por suspeitas de que estão tentando influenciar escolas, grupos empresariais e políticos locais dos EUA.

    Os dois grupos estão ligados ao Departamento de Trabalho da Frente Unida da China, um órgão do Comitê Central do Partido Comunista Chinês, ponderou ele.

    "Saiba que quando você é abordado por um diplomata chinês, provavelmente não é no espírito de cooperação ou amizade", comentou Pompeo, alertando sobre as "campanhas de influência e espionagem" do Partido Comunista Chinês, mesmo em nível municipal.

    "O governo federal não pode policiar cada detalhe desse comportamento predatório e coercitivo. Precisamos da sua ajuda [...] Proteger os interesses americanos requer vigilância, vigilância que começa com você - e com todos os legisladores estaduais, independentemente do partido", prosseguiu ele.

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em Boa Vista, Roraima.
    © AP Photo / Bruno Mancinelle
    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em Boa Vista, Roraima.

    O último golpe em Pequim ocorreu na corrida para as eleições de novembro, nas quais o presidente dos EUA, Donald Trump, fez de uma abordagem dura para a China uma importante plataforma de política externa. Wisconsin é um estado-chave do campo de batalha nas pesquisas.

    O discurso de Pompeo gerou protestos de legisladores democratas, que o acusaram de usar o dinheiro do contribuinte para solidificar o apoio político a Trump e, potencialmente, a si mesmo, visto que ele é amplamente visto como portador de ambições presidenciais para 2024.

    Em outro movimento recente, a visita de Pompeo ao Brasil e uma série de declarações conjuntas contra a Venezuela também foram vistas por analistas como um movimento eleitoral em apoio à reeleição de Trump.

    Os laços entre a China e os EUA estão no ponto mais baixo em décadas, com as duas principais economias do mundo em desacordo sobre questões que vão desde o tratamento do novo coronavírus pela China a rivalidades comerciais, nova legislação de segurança nacional em Hong Kong e tensões no mar do Sul da China.

    Mais:

    'Os que brincam com fogo se queimarão': China responde aos EUA iniciando manobras perto de Taiwan
    China pode dar passos prejudiciais a interesses tecnológicos dos EUA devido ao TikTok, diz analista
    China diz que aeronaves espiãs dos EUA se disfarçaram de aviões civis mais de 100 vezes em 2020
    Tags:
    diplomacia, propaganda, espionagem, Mike Pompeo, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar