21:35 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    4813
    Nos siga no

    A empresa de software Oracle venceu vários outros candidatos, incluindo a Microsoft, para adquirir as operações do aplicativo da chinesa ByteDance nos EUA.

    Donald Trump, presidente dos EUA, aprovou o acordo para a Oracle operar o aplicativo de compartilhamento de vídeo TikTok, escreve o jornal Washington Post.

    "Posso dizer que dei a minha bênção ao acordo", disse Trump aos repórteres no sábado (19). "Eu aprovei o acordo em conceito".

    De acordo com Trump, a multinacional de lojas Walmart também participará do acordo. Este prevê a criação de uma nova empresa, com sede no estado do Texas, que assumirá as operações do TikTok nos EUA e continuará sendo de propriedade majoritária do grupo tecnológico chinês. O presidente norte-americano também disse que o acordo incluiria uma doação de US$ 5 bilhões (R$ 27 bilhões) para um programa de educação.

    Mais tarde, a TikTok confirmou o acordo proposto, acrescentando que a Oracle será a fornecedora de tecnologia, e a Walmart uma parceira comercial.

    Após a notícia, o Departamento de Comércio dos EUA adiou a ordem para remover o TikTok das lojas de aplicativos da Apple e do Google por uma semana.

    Trump disse anteriormente aos jornalistas que não estava pronto para assinar o acordo TikTok-Oracle porque ainda não o tinha visto, citando também preocupações de segurança, e acrescentando que também estava revendo outras opções da Casa Branca sobre o TikTok.

    Saga do TikTok

    Na semana passada, a mídia informou que a Oracle iria operar o TikTok nos EUA, vencendo a Microsoft em um acordo de alto nível para salvar a nova estrela de mídia social, que foi apanhada em meio a um impasse geopolítico.

    O presidente acusou o aplicativo chinês de fornecer a Pequim dados pessoais de cidadãos norte-americanos, dando um prazo até 12 de novembro para que a empresa encontrasse um parceiro adequado nos EUA ou, caso contrário, seria fechada.

    Em resposta, a ByteDance, proprietária do TikTok, entrou com uma ação judicial contra a medida, dizendo que não tinha outra escolha senão proteger seus direitos contra a ordem executiva de Trump e a alegação de que era uma ameaça à segurança nacional do país.

    A empresa acrescentou que as exigências do presidente dos EUA não tinham nenhuma relação com qualquer preocupação cabível de segurança nacional, e serviam apenas para destacar a falha em proporcionar um processo adequado exigido por lei.

    Em agosto, a consultora de inteligência e segurança global Soufan Group afirmou em um relatório que o TikTok ameaça a privacidade pessoal, coletando dados como a localização dos usuários e listas de contatos telefônicos, mas que o mesmo pode ser dito de aplicações baseadas nos EUA como o Twitter e o Facebook. Por isso, o "perigo claro e presente aos interesses de segurança nacional dos EUA" tem sido exagerado, indica o relatório.

    Mais:

    ByteDance, empresa chinesa dona do TikTok, desafia governo Trump na Justiça
    TikTok escolhe licitante para venda de seu negócio nos EUA, diz mídia
    Trump assina ordem executiva que restringe funcionamento do TikTok nos EUA
    Trump cita 'ameaça' e assina decreto proibindo transações com TikTok e WeChat
    Tags:
    App Store, Departamento de Comércio dos EUA, Walmart, The Washington Post, Washington Post, TikTok, EUA, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar