22:00 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    13532
    Nos siga no

    O secretário de Estado norte-americano disse hoje (19) que estão sendo reimpostas as sanções das Nações Unidas contra o Irã e os EUA estão planejando medidas adicionais, incluindo punições aos países que não concordarem com a retomada dessas sanções.

    "Os Estados Unidos saúdam o retorno de praticamente todas as sanções da ONU anteriormente rescindidas contra a República Islâmica do Irã", disse Mike Pompeo em um comunicado neste sábado (19), explicando que "as sanções estão sendo reimpostas ao Irã de acordo com o processo de snapback, sob a resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU (UNSCR)". 

    ​O tal processo citado pelo chefe da diplomacia dos Estados Unidos se trata de um mecanismo estabelecido no acordo nuclear iraniano de 2015 que permite a qualquer um dos signatários desencadear a retomada das sanções das Nações Unidas contra Teerã caso as autoridades iranianas não cumprissem sua parte do acordo. 

    A grande questão é que o governo do presidente Donald Trump abandonou o tal acordo em 2018, quando, segundo autoridades internacionais, o Irã vinha cumprindo as obrigações firmadas. Só após a saída de Washington é que Teerã anunciou que deixaria de seguir algumas das determinações acordadas. 

    ​A decisão dos EUA de tentar restabelecer essas sanções está ligada a uma recente recusa do Conselho de Segurança da ONU em aprovar uma resolução apresentada por Washington para prolongar, indefinidamente, o embargo de armas adotado pela organização contra o Irã, que deve expirar no próximo mês.

    "Em 20 de agosto, os Estados Unidos notificaram ao presidente do Conselho de Segurança o não cumprimento significativo pelo Irã de seus compromissos sob o JCPOA [Plano de Ação Conjunto Global]. Essa notificação acionou o processo de 30 dias que levou ao restabelecimento das sanções da ONU anteriormente encerradas, que entraram em vigor às 20h, Horário Padrão do Atlântico [21h no horário de Brasília], em 19 de setembro", diz o comunicado de Pompeo. 

    Mesmo sendo aliados dos EUA, Reino Unido, França e Alemanha se manifestaram contra o prazo de Washington para restabelecer as medidas punitivas. Em carta enviada ao Conselho de Segurança da ONU, os três países europeus disseram que o alívio das sanções, previsto como parte do acordo de 2015, que limitou as capacidades nucleares do Irã, permanecerá em vigor. 

    ​Não hesitaremos em impor nossas sanções e esperamos que todos os Estados-membros da ONU cumpram integralmente com suas obrigações sob essas restrições reimpostas.

    "Se os Estados-membros da ONU não cumprirem suas obrigações de implementar essas sanções, os Estados Unidos estão preparados para usar nossas autoridades nacionais para impor consequências por essas falhas e garantir que o Irã não colha os benefícios de atividades proibidas pela ONU", declarou o secretário.

    Mais:

    Parceria estratégica Irã-China seria prego final no caixão da política de 'pressão máxima' dos EUA?
    EUA e Reino Unido possuem dívida milionária em sistemas de defesa com Irã, diz mídia
    Teerã afirma que ameaças de Trump contra Irã provêm de 'alarmes falsos' de Pompeo
    Tags:
    JCPOA, Mike Pompeo, Alemanha, França, Reino Unido, ONU, Nações Unidas, sanções, Estados Unidos, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar