17:40 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    390
    Nos siga no

    Relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre a Venezuela tem objetivo de sabotar o diálogo nacional e as eleições parlamentares de 6 de dezembro, disse neste sábado (19) o chanceler Jorge Arreaza.

    Na quarta-feira (16), a Missão Internacional Independente das Nações Unidas sobre a Venezuela apresentou informe denunciando crimes contra a humanidade por parte do governo e forças de segurança do país. 

    O ministro da Relações Exteriores rebateu as acusações, citando recentes indultos a presos e afirmando que o relatório queria prejudicar o diálogo entre governo e opositores no país.

    "Esse relatório pretende sabotar o diálogo que se instalou na Venezuela com resultados muito recentes, como os indultos a 110 pessoas que cometeram crimes de todo tipo", afirmou Arreaza em coletiva de imprensa. 

    Prejudicar trabalho conjunto com Bachelet

    Além disso, argumentou que o informe tinha o objetivo de "perturbar o processo eleitoral na Venezuela e o papel da Venezuela nas relações internacionais".

    Arreaza disse ainda que o relatório buscava atingir o trabalho da Venezuela junto a Michelle Bachelet, alta-comissária da ONU para os direitos humanos. No entanto, ele garantiu que o governo continuava ao seu lado. 

    "Até o momento temos nos mantido firmes e dissemos à alta-comissária, Michele Bachelet, que vamos seguir adiante com nosso trabalho e não permitiremos" que o relatório dos investigadores da ONU "nos pertube". 

    'Vertente jurídica' da Operação Gideon

    Segundo o chanceler, o informe da Missão Internacional é a "vertente jurídica" da chamada Operação Gideon, que tinha o objetivo de assassinar o presidente Nicolás Maduro e outros funcionários de Estado, desarticulada em maio pelo governo venezuelano.

    "Esse relatório é a vertente jurídica da Operação Gideon contra a Venezuela. Utilizaram as mesmas táticas e vão atrás dos mesmos objetivos. Os mercenários queriam matar o presidente Maduro e Diosdado Cabello [presidente da Assembleia Nacional Constituinte], exatamente o mesmo que busca esse relatório, a morte legal ou a morte da reputação", disse Arreaza. 

    'Política com os direitos humanos'

    O chanceler afirmou também que a missão da ONU "está fazendo política com os direitos humanos e não para os direitos humanos". Segundo Arreaza, os investigadores das Nações Unidas não estiveram na Venezuela, já que o governo condenou a criação da missão, e que as informações foram colhidas por telefonemas e de notícias da imprensa. 

    O ministro denunciou ainda que um dos três especialistas da ONU é Francisco Cox, um "defensor de agentes da ditadura de Pinoche no Chile".

    Mais:

    EUA e Colômbia estão preparando nova agressão militar contra Venezuela, afirma diplomata
    'Inimigos da pátria' achavam que Venezuela não teria força para enfrentar pandemia, diz Maduro
    Pompeo está realizando 'turnê de guerra' para ganhar votos à custa da Venezuela, diz Maduro
    Tags:
    direitos humanos, Diosdado Cabello, Jorge Arreaza, Nicolás Maduro, Michelle Bachelet, Nações Unidas, ONU, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar