18:08 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    264
    Nos siga no

    Advogada de Assange afirmou que administração Trump ofereceu liberdade para o fundador do WikiLeaks caso ele revelasse a fonte por trás dos vazamentos de e-mails do Partido Democrata dos EUA.

    A oferta teria sido feita através do congressista americano Dana Rohrabacher e um representante de Trump durante um encontro na Embaixada do Equador em Londres em 15 de agosto de 2017.

    A proposta "era que o sr. Assange identificasse a fonte das publicações eleitorais de 2016 em troca por alguma espécie de perdão, garantia ou acordo que tanto beneficiasse o presidente Trump politicamente como prevenisse o indiciamento pelos EUA e a extradição", publicou a Bloomberg citando a advogada.

    A alegada oferta feita pelo governo americano é um dos argumentos-chave que Assange está usando em tribunal londrino para lutar contra a extradição aos EUA e possível condenação naquele país.

    Ainda no início do ano, a defesa de Assange expressara seu plano de usar a declaração de Robinson como testemunha como evidência contra a extradição.

    Por sua vez, em fevereiro passado, a Casa Branca negou ter oferecido perdão a Assange e classificou as afirmações do acusado de serem uma "completa fabricação e mentira completa".

    Além disso, Rohrabacher afirmou: "Eu disse para ele que se ele pudesse me dar informação e evidência sobre quem de fato lhe deu os e-mails do Comitê Nacional Democrata (DNC, na sigla em inglês), eu pediria ao presidente Trump para o perdoar."

    O congressista também chegou a negar que teria oferecido um acordo feito pelo presidente americano ou tê-lo representado diante de Assange. Posteriormente, ele disse ao então chefe de gabinete da Casa Branca, John Kelly, que Assange gostaria de fornecer informação sobre os e-mails hackeados em troca de seu perdão, contudo, isso não teria surtido efeito no governo americano.

    Campanha de 2016

    Durante a campanha eleitoral presidencial da democrata Hillary Clinton em 2016, o WikiLeaks publicou uma série de e-mails do DNC danificando a imagem de Hillary, na que a inteligência dos EUA considerou uma operação hacker da Rússia para influenciar na eleição.

    Assange é acusado de conspiração para obter e tornar públicos documentos classificados passados para ele pela ex-analista de inteligência do Exército dos EUA Chelsea Manning.

    Os documentos, que incluíam relatórios do Departamento de Estado americano sobre a ação militar do país no Iraque e Afeganistão, foram publicados pelo WikiLeaks em 2010 e 2011.

    Mais:

    Assange teria avisado a Casa Branca de 'risco de tortura e morte' antes de vazar documentos
    Lula: Assange, fundador do WikiLeaks, é 'herói' e 'humanidade deveria exigir sua liberdade'
    LatamLeaks se inspira em Assange para expor corrupção na América Latina
    Tags:
    WikiLeaks, Donald Trump, EUA, tribunal, prisão de Julian Assange, Julian Assange
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar