16:23 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1120
    Nos siga no

    O relatório, de mais de 300 páginas, detalhou casos de "violação de direitos" que levaram a 37 mortes no final de 2019, a maior parte delas em três cidades bolivianas.

    A Defensoria Pública da Bolívia concluiu, após meses de investigação, que o governo interino cometeu crimes contra a humanidade durante a repressão de opositores no final de 2019, a fim de consolidação do poder.

    "O governo interino cometeu crimes contra a humanidade durante o conflito pós-eleitoral, cometeu sistematicamente assassinatos contra civis de baixo conhecimento, ordens e instruções dadas sob a atual administração governamental, a fim de consolidar seu poder", disse a defensora pública boliviana, Nadia Cruz, em uma coletiva de imprensa.

    A defensora, uma funcionária identificada pelo governo como próxima ao Movimento ao Socialismo (MAS), fez a declaração ao resumir um relatório sobre os eventos de outubro a dezembro de 2019, que precederam e acompanharam a queda de Morales e a autoproclamação da presidência interina de Jeanine Áñez.

    "O relatório, de mais de 300 páginas, descreve e mostra a violação de direitos, os eventos violentos e as situações em que ocorreram 37 mortes, 27 delas durante a intervenção conjunta da Polícia Boliviana e das Forças Armadas em Sacaba [centro do país], Senkata [ocidente da Bolívia] e em bairros do sul de La Paz", relatou Cruz.

    Sem paz

    Ao contrário das repetidas declarações da presidente Áñez de que ela havia alcançado a paz no país após a crise de 2019 e os recentes protestos exigindo eleições gerais, Cruz ressaltou que a tensão e o conflito persistem.

    "Não houve, nem há um verdadeiro processo de pacificação no país", apesar da cessação das mobilizações sociais e dos bloqueios de estradas, afirmou Cruz.

    A defensora pública advertiu que "as operações conjuntas da Polícia Boliviana e das Forças Armadas, bem como a exoneração da responsabilidade criminal [dos repressores], a perseguição extrema dos opositores políticos, a violação sistemática dos direitos humanos e o manto de impunidade sobre eles não permitirão que a paz e a harmonia sejam restauradas".

    Polícia Militar vigia terrenos do Aeroporto Internacional de El Alto, Bolívia, 12 de agosto de 2020
    © AP Photo / Juan Karita
    Polícia Militar da Bolívia

    Nadia Cruz avisou que apresentará o relatório à Comissão Interamericana de Direitos Humanos e anunciou que solicitará ao Parlamento boliviano a criação de uma Comissão da Verdade independente para esclarecer as violações dos direitos fundamentais e determinar as reparações.

    Os massacres de opositores de Áñez na cidade de Sacaba ocorreram em 15 de novembro de 2019, e quatro dias depois no distrito urbano de Senkata, deixando 20 mortos.

    Essas mortes "constituem assassinatos contra a humanidade, tendo sido cometidos sistematicamente contra a população civil e em resposta a uma organização para cometer tal ataque", além de outros sete, incluindo casos de tortura em instalações policiais, indicou.

    Participação não governamental

    Nadia Cruz disse ter sido confirmado que os militares e a polícia tiveram a colaboração de grupos civis irregulares em várias operações repressivas.

    O governo, que por meio de um decreto liberou da responsabilidade criminal pessoas de uniforme que participaram da repressão, rejeitou relatos anteriores de massacres, argumentando que as mortes dos manifestantes eram resultado de "ataques autoinfligidos".

    A Defensoria Pública boliviana declarou ter reunido testemunhos e provas para apoiar a alegação de massacres, apesar da obstrução e negação de informações que encontrou ao longo da investigação.

    Polícia, militares e promotores "violaram o direito à verdade através de ações ilegais, [tais como] intimidar testemunhas e vítimas, alterar a cena do crime, [fazer] desaparecer provas e emitir provas de especialistas que não atendem a padrões técnicos".

    O relatório acrescentou que os ataques e até mesmo a destruição sofrida pelas casas de cerca de 20 pessoas, tanto apoiadores quanto opositores de Morales, foram violações dos direitos fundamentais que deveriam ser investigadas.

    Mais:

    Parlamento da Bolívia anuncia processo contra Áñez por empréstimo não anunciado do FMI
    Apesar de protestos, Bolívia confirma eleições para 18 de outubro
    Partido boliviano pede investigação de supostas viagens de avião presidencial ao Brasil
    Tags:
    La Paz, Movimento ao Socialismo (MAS), Movimento ao Socialismo, Forças Armadas, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar