12:40 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2132
    Nos siga no

    O embaixador argentino no Brasil, Daniel Scioli, se reuniu nesta quarta-feira (9) com o ministro brasileiro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, com o objetivo de fortalecer a integração energética entre os dois países. 

    Apesar das diferenças políticas entre Jair Bolsonaro e Alberto Fernandéz, Albuquerque afirmou que "a relação entre Argentina e Brasil transcende governos".

    Scioli pediu apoio ao ministro brasileiro para a assinatura de um contrato que tornará a empresa INVAP como uma das construtoras do Reator Multiuso Brasileiro (RMB).

    Da parte brasileira, Bento Albuquerque se dispôs a trabalhar para criar as condições para que o mercado brasileiro seja abastecido com gás da região da Vaca Muerta, formação geológica da Patagônia, conhecida como rocha hospedeira por grandes depósitos de óleo de xisto e gás de xisto.

    Para o engenheiro Celso Cunha, presidente da ABDAN (Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares), a parceria entre Brasil e Argentina na área nuclear demonstra maturidade dos dois países.

    "O Brasil e Argentina já têm acordo de cooperação, de salvaguardas há muitos anos, é uma referência mundial nesse sentido e isso só vem demonstrando cada vez mais a maturidade que os países têm", afirmou à Sputnik Brasil.

    Segundo Celso Cunha, o Reator Multiuso Brasileiro tem como objetivo dar conta de toda a demanda do país.

    "Esse projeto está em fase final, esse reator que vai ter uma potência máxima de 30 megawatts e o principal objetivo dele é a produção de radioisótopos e radiofármacos que visam suprir toda a demanda nacional", explicou.

    Ao defender a parceria entre Brasil e Argentina, Celso Cunha cita a facilidade na questão logística entre os dois países.

    "O fato de se estar trabalhando para que esse projeto seja construído entre uma empresa brasileira com uma empresa argentina é de suma importância. Você no momento desse de pandemia, por exemplo, não fica sujeito a ter que trazer de navio, de avião, peças e produtos. Nós tivemos problemas durante a pandemia com o abastecimento dos radiofármacos do Brasil e isso é fundamental para que esses projetos avancem", defendeu.

    Na próxima semana haverá uma videoconferência entre Albuquerque e o secretário argentino de Energia, Darío Martínez, para "recuperar as reuniões binacionais de planejamento energético".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Brasil ocupa grupo seleto em energia nuclear e deve investir no setor, diz engenheiro
    Brasil cria grupo técnico para 'dinamizar' setor nuclear
    Programa de Estado? Especialista aponta vantagens da energia nuclear para o Brasil
    Rosatom discute com Brasil projeto de usina nuclear para extração de hidrocarbonetos em alto mar
    'Família Bolsonaro está muito preocupada comigo e com a Argentina', diz Alberto Fernández
    Tags:
    integração bilateral, cooperação bilateral, reuniões bilaterais, relações bilaterais, acordos bilaterais, energia nuclear, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar