06:21 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    131
    Nos siga no

    Na quarta-feira (9), o presidente argentino Alberto Fernández fez um pronunciamento oficial condenando os protestos policiais na província de Buenos Aires e apresentando um pacote fiscal à região para solucionar o problema.

    Fernández anunciou um fundo orçamentário especial para a província de Buenos Aires, que será extraído das cifras até agora concedidas à capital argentina. A medida é uma resposta a uma série de protestos promovidos por policiais de Buenos Aires desde a segunda-feira (7) exigindo aumento salarial.

    "Combinamos a criação de um fundo de fortalecimento fiscal e financeiro para a província de Buenos Aires", disse Fernández durante pronunciamento na residência presidencial na cidade de Olivos, em Buenos Aires, cercado por grande parte de seu gabinete.

    Quando o governo anterior transferiu a Polícia Federal para a capital, a cidade passou a receber 2,1% dos impostos compartilhados pela nação e essas jurisdições, conhecidos como taxas de coparticipação estaduais. Na opinião do presidente, para financiar a mudança, é necessário a transferência de apenas um ponto percentual.

    "A capital continuará recebendo os recursos necessários para custear as despesas das forças federais e vamos repassar esse ponto excedente ao fundo de financiamento fiscal da província de Buenos Aires", disse Fernández.

    Dessa forma, o presidente argentino afirma que será possível garantir a reivindicação de aumento salarial que gerou protestos de policiais na região.

    Fernández alertou os agentes policiais que protestam em vários municípios da província que o governo não vai aceitar a forma que os protestos tomaram e lamentou que as ruas estejam desprotegidas em função das manifestações.

    Na província argentina de Buenos Aires, policiais protestam em frente à residência presidencial na cidade de Olivos, demandando melhores salários e condições de trabalho, em 9 de setembro de 2020.
    © REUTERS / Agustin Marcarian
    Na província argentina de Buenos Aires, policiais protestam em frente à residência presidencial na cidade de Olivos, demandando melhores salários e condições de trabalho, em 9 de setembro de 2020.

    Segundo o anúncio de Fernández, a medida anunciada tentará também restaurar o equilíbrio financeiro que se perdeu em meados da década de 1980, quando a província perdeu oito pontos percentuais de partilha orçamentária. À época, porém, o distrito tinha quatro milhões de habitantes e hoje ultrapassa os 17 milhões, sendo a região mais populosa do país.

    "Nem tudo é válido ao protestar, nem tudo é permitido; quando estamos em uma pandemia há certas atividades que devem continuar", exigiu Fernández.

    Mais cedo, alguns militares uniformizados cercaram os arredores da residência presidencial em Olivos na quarta-feira (9), atitude que o presidente disse que não pretende tolerar.

    "Posso entender qualquer reclamação, mas não estou disposto a atender a certas formas de demanda", apontou o presidente argentino.

    O governador de Buenos Aires, Axel Kicillof, já havia anunciado na véspera que a polícia receberia um aumento de salário, mas isso não foi suficiente para acalmar os protestos. Já o prefeito da capital argentina, Horacio Rodríguez Larreta, qualificou a presença de policiais na residência presidencial como "inadmissível".

    Mais:

    Senado da Argentina aprova projeto oficial de reforma do Poder Judicial
    Argentina anuncia produção de novo avião de treinamento IA-100 Malvina
    'Família Bolsonaro está muito preocupada comigo e com a Argentina', diz Alberto Fernández
    Tags:
    Buenos Aires, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar