14:25 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    6164
    Nos siga no

    Próximas eleições legislativas venezuelanas estão marcadas para 6 de dezembro, mas 27 partidos já anunciaram que não vão participar do processo, que consideram ser uma fraude eleitoral.

    O presidente venezuelano Nicolás Maduro afirmou que o presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou o seu assassinato e agora está tentando contratar franco-atiradores para concretizar seu desejo.

    "Donald Trump aprovou que me matem, que me matem, ouça, não estou exagerando", garantiu Maduro durante um ato governamental transmitido pela televisão estatal VTV.

    "Estão tentando comprar franco-atiradores para me matar. Ele [Donald Trump] não tem ética, é um homem extremista, da ultradireita e supremacista", continuou o presidente venezuelano. Maduro sustenta que Trump ofereceu US$ 15 milhões (R$ 80 milhões) pela sua cabeça.

    Presidente venezuelano Nicolás Maduro fala à Guarda Nacional Bolivariana em Caracas
    © REUTERS / Palácio Miraflores
    Presidente venezuelano Nicolás Maduro fala à Guarda Nacional Bolivariana em Caracas

    Indultos

    Durante a mesma transmissão, Maduro concedeu indulto a 110 pessoas, entre elas deputados da oposição, ativistas e presos políticos.

    Em seu discurso, Maduro sublinhou que sua intenção é "fazer a paz" com o inimigo, para avançar na participação nas eleições parlamentares de 6 de dezembro. Todavia, 27 partidos já anunciaram que não vão participar dessas eleições, uma vez que consideram ser uma fraude eleitoral.

    Mais:

    Maduro agradece ao Irã por ajudar indústria petrolífera da Venezuela a superar sanções dos EUA
    Venezuela e Índia reforçam relações bilaterais e ampliam cooperação no setor energético
    Brasil e Venezuela pediram à Rússia ajuda com vacina contra a COVID-19, diz vice-premiê russa
    Chanceler da Venezuela sugere 'ir até Pequim' se for preciso para restabelecer laços com o Brasil
    Tags:
    Venezuela, EUA, Donald Trump, Nicolas Maduro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar