07:17 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo e COVID-19 no final de agosto (52)
    2154
    Nos siga no

    O chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, garantiu na quinta-feira (27) que o presidente Nicolás Maduro pretende reconstruir as relações diplomáticas com o Brasil em meio à pandemia do novo coronavírus.

    "A mensagem do presidente Maduro ao presidente Jair Bolsonaro, apesar das divergências devido aos atentados que nos ignoraram, que não respondem, é que aproveitamos a pandemia para reconstruir a relação diplomática", disse o chanceler venezuelano.

    A fala de Arreza foi proferida durante uma videoconferência com os ex-chanceleres brasileiros Celso Amorim (2011-2014) e Aloysio Nunes (2017-2019).

    O ministro venezuelano destacou que Caracas fará questão de estabelecer uma ponte de comunicação com o Brasil e garantiu que está disposto a se deslocar para o local que as autoridades daquele país considerem conveniente para estabelecer um diálogo.

    "Vamos insistir, queremos e se os ex-ministros puderem nos fazer uma ponte com o chanceler [do Brasil] Ernesto Araújo, teremos o prazer de ir para a fronteira, para Pequim, onde ele quiser", ressaltou o diplomata venezuelano.
    Presidente venezuelano Nicolás Maduro fala à Guarda Nacional Bolivariana em Caracas
    © REUTERS / Palácio Miraflores
    Presidente venezuelano Nicolás Maduro fala à Guarda Nacional Bolivariana em Caracas

    A pandemia, sublinhou Arreaza, obriga os países vizinhos a tratar as relações diplomáticas com responsabilidade e altura, deixando de lado as diferenças ideológicas.

    As relações entre Brasil e Venezuela começaram a se desgastar em 2017, durante o governo do presidente Michel Temer (2016-2018), mas foram ainda mais tensas em 2019, com a chegada ao poder de Bolsonaro, que não reconhece Maduro como presidente do Venezuela.

    A este respeito, o chanceler venezuelano acusou Bolsonaro de violar a Carta das Nações Unidas (ONU) por se intrometer nos assuntos internos da Venezuela.

    Arreza também considerou que o governo brasileiro adotou ações concretas contra seu país, como a de fevereiro de 2019, quando se tentou, pela fronteira terrestre, introduzir caminhões carregados com suposta ajuda humanitária, apesar da recusa do Executivo venezuelano.

    Tema:
    Mundo e COVID-19 no final de agosto (52)

    Mais:

    COVID-19: ajuda humanitária russa com mais de 43 mil testes chega à Venezuela (FOTOS)
    Maduro agradece ao Irã por ajudar indústria petrolífera da Venezuela a superar sanções dos EUA
    Polêmico no Brasil, tratamento com ozonioterapia contra COVID-19 é exaltado por Maduro
    Tags:
    Aloysio Nunes, Celso Amorim, COVID-19, novo coronavírus, relações bilaterais, diplomacia, Jorge Arreaza, Nicolás Maduro, Ernesto Araújo, Jair Bolsonaro, Pequim, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar