05:44 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    167
    Nos siga no

    Os democratas do Senado dos Estados Unidos divulgaram nesta terça-feira (25) um plano de ação climática de US$ 400 bilhões (cerca de R$ 2,2 trilhões) para tornar os EUA uma economia de baixo carbono.

    Conforme o plano divulgado pelos congressistas do partido, a ideia é criar condições para atingir a meta global de emissões zero até o ano de 2025.

    "A crise climática não é uma ameaça distante. Está aqui agora e será catastrófico se não contra-atacarmos imediatamente", disse o líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, ao lançar o plano "Caso para Ação Climática: Construindo uma Economia Limpa para o povo estadunidense".

    "Os democratas estão empenhados em trabalhar - de forma decisiva e agressiva - para evitar os altos custos humanos e econômicos de uma crise climática que se agrava e para orientar a transição para uma economia de baixo carbono", acrescentou Schumer.

    Segundo o plano, os gastos federais com ações climáticas serão aumentados para pelo menos 2% do Produto Interno Bruto (PIB) anualmente. Em 2019, o PIB dos EUA acumulou US$ 21,3 trilhões (cerca de R$ 117 trilhões), de acordo com o Departamento do Tesouro estadunidense.

    Os democratas também pretendem criar um mínimo de dez milhões de novos empregos a partir da iniciativa e reinvestir pelo menos 40% dos benefícios obtidos em populações negras e latinas, bem como nas comunidades de baixa renda, desindustrializadas e desfavorecidas.

    Presidente dos EUA, Donald Trump, durante Convenção do Partido Republicano dos EUA, em Charlotte, Carolina do Norte, EUA, 24 de agosto de 2020
    © REUTERS / Leah Millis
    Presidente dos EUA, Donald Trump, durante Convenção do Partido Republicano dos EUA, em Charlotte, Carolina do Norte, EUA, 24 de agosto de 2020

    A expectativa é de que o plano será recebido com críticas por parte do presidente dos EUA, Donald Trump, e de membros do partido republicano, que em geral são negacionistas da mudança climática. O governo Trump, que apoia projetos ambientalmente sensíveis como a exploração de petróleo de xisto, notificou a Organização das Nações Unidas (ONU) ainda em 2019 informando que os EUA deixarão, a partir de 4 de novembro deste ano, o Acordo de Paris, um acordo climático global.

    A saída está marcada para ocorrer apenas um dia após a eleição presidencial de 3 de novembro, na qual Trump espera garantir um segundo mandato com uma vitória sobre o candidato democrata, Joe Biden. Recentemente, ambos os candidatos foram oficialmente apontados durante a convenção de seus respectivos partidos.

    Mais:

    Biden aceita formalmente indicação do Partido Democrata
    Trump anuncia investimento de US$ 1 bilhão para agricultores e famílias, diz Casa Branca
    OMS rebate Trump e diz que uso de plasma contra COVID-19 ainda não tem eficácia assegurada
    Tags:
    Partido Democrata, Donald Trump, Joe Biden
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar