02:50 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    397
    Nos siga no

    O afro-americano Jacob Blake está paralisado depois de ser baleado pela polícia no estado americano de Wisconsin, disse seu pai à imprensa nesta terça-feira (25).

    Blake foi baleado oito vezes em Kenosha, Wisconsin, no domingo (23), na frente de três de seus filhos, depois que a polícia chegou ao local onde ele tentou interromper uma briga entre duas mulheres.

    O pai de Blake disse que seu filho agora tem "oito buracos" no corpo e está paralisado da cintura para baixo, relatou o jornal Chicago Sun-Times. Os médicos atualmente não sabem se a lesão é permanente ou se eles poderão tratá-la, acrescentou o períodico.

    "Quero colocar minha mão no rosto do meu filho e beijá-lo na testa, e então vou ficar bem", disse o pai de Blake. "Vou beijá-lo com minha máscara. A primeira coisa que quero fazer é tocar meu filho."

    O incidente aconteceu na cidade de Kenosha, onde Blake mora com sua esposa e seis filhos. Família é "definitivamente" importante para Blake, disse seu pai. 

    Moradores furiosos foram às ruas de Kenosha e outras cidades do país após as imagens do incidente tomarem a internet. Manifestantes em Kenosha incendiaram e vandalizaram empresas locais durante a noite.

    O governador de Wisconsin, Tony Evers, autorizou o envio de tropas da Guarda Nacional para a cidade.

    Protestos que duraram meses eclodiram nos Estados Unidos em maio, depois que o homem negro George Floyd morreu assassinado pela polícia em Minneapolis.

    Mais:

    Manifestações nos EUA seriam só pela morte de George Floyd?
    Prefeito de NY diz que espera mais um dia de protestos por George Floyd
    Autópsia independente comprova que George Floyd morreu de asfixia
    Veículo avança contra policiais em Nova York em meio a protestos por George Floyd (VÍDEO)
    Polícia de Minneapolis, onde George Floyd foi morto, será desmantelada
    Tags:
    protesto, polícia, racismo, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar