03:20 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1152
    Nos siga no

    O 75º aniversário da Organização das Nações Unidas (ONU) pode ser uma oportunidade para reativar os esforços pela expansão do Conselho de Segurança, afirmou o embaixador da Alemanha na ONU, Christoph Heusgen, nesta quinta-feira (30).

    "Acreditamos que o 75º aniversário da Organização das Nações Unidas é uma data importante para realmente revisitar [a questão], lançar uma nova iniciativa, lançar um novo processo, dar mais vida a isso", disse Heusgen. "A atual composição do Conselho de Segurança não reflete o mundo de hoje. Não há país africano com assento permanente, não há país latino-americano no Conselho de Segurança", afirmou Heusgen.

    O representante alemão observou que Berlim é o segundo maior doador de todo o sistema da ONU e disse que o país tem um interesse legítimo em obter um assento permanente no Conselho de Segurança.

    As propostas de expansão do Conselho de Segurança feitas por Alemanha, Japão, Índia, Brasil e outros países são discussões de décadas. Foram realizados acordos neste sentido, mas com poucos detalhes. 

    "Os países que estão muito felizes com o status quo estão bloqueando o processo", disse Heusgen.

    O Conselho de Segurança é composto por 15 membros, incluindo cinco países com poder de veto - Estados Unidos, Reino Unido, China, França e Rússia - e mais dez países sem poder de veto, escolhidos para mandatos de dois anos. O atual mandato da Alemanha expirará em janeiro de 2021.

    Mais:

    EUA violaram Carta das Nações Unidas com ataque contra general do Irã, diz relatora da ONU
    Sucessão de denúncias contra governo brasileiro na ONU terá consequências efetivas?
    Veto do Brasil à educação sexual em projeto da ONU reflete posição de Bolsonaro, diz psicólogo
    'Não há carvão limpo': secretário da ONU quer energia renovável e economia verde no mundo pós-COVID
    Tags:
    Alemanha, discussão, reforma, Conselho de Segurança da ONU
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar